s
Estudos apontam que é possível ter mais produtividade em menos dias ou horas de trabalho Crédito: Pixabay
TRABALHO REMOTO

Mais horas, mais produtividade? Não mesmo

A discussão sobre a semana de 4 dias ou uma semana com menos horas no dia está centrada na questão da produtividade. É possível fazer mais com menos?

Por Silvia Bassi 10/07/2021

Conhece a Lei de Parkinson? Ela foi descrita pela primeira vez em 1955 pelo historiador naval inglês Cyril Northcote Parkinson, em um ensaio escrito para a revista The Economist. Parkinson usou uma série de dados da Marinha Real Inglesa para demonstrar que o volume de trabalho, por menor que seja, tende a ocupar na totalidade o tempo dado para que ele se complete. Por exemplo, uma tarefa que levaria duas horas para ser feita, mas que tem um prazo de 12 horas para ser entregue, ocuparia, sem dúvida, as 12 horas.

Um dos fatores que influenciam a Lei de Parkinson, observa um artigo publicado no blog da Atlassian, é a famosa procrastinação, o hábito de deixar as coisas para o último minuto enquanto enchemos o tempo disponível com bobagens. O artigo da Atlassian, que desenvolve softwares de produtividade, foca no trabalho dos programadores, aquele cuja data final de compleição sempre se estica porque a tarefa ganha cada vez mais complexidade. Por sinal, acrescentar complicadores a tarefas simples é mais uma das peças da Lei de Parkinson.

A Lei de Parkinson não é uma "lei de verdade", mas ela e todas as suas derivadas, reunidas no livro "Parkinson's Law: The Pursuit of Progress", provocam há muito tempo especialistas e empresas a repensarem a organização do trabalho na busca por produtividade. E está cada vez mais claro, especialmente depois de 18 meses de pandemia e exaustivas horas de trabalho remoto, que o número de horas trabalhadas não é igual a mais produtividade.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Gestão

O futuro do trabalho pode ser assíncrono

Dar aos colaboradores a flexibilidade de trabalhar nos momentos em que se sentem mais focados e produtivos pode representar um enorme ganho para as organizações. Mas há desafios

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

Tendências

Geração Z e o fim do trabalho que conhecemos

As organizações estão diante do desafio de construir culturas que levem em conta as necessidades e sejam capazes de atrair, engajar e reter talentos da Geração Z

Mulheres no trabalho: cresce estresse, esgotamento e assédio

Diversidade

Mulheres no trabalho: cresce estresse, esgotamento e assédio

No Brasil, burnout é o principal motivo para querer deixar o emprego, seguido de remuneração inadequada e falta de oportunidades

Trabalho Flexível traz bem-estar para acordo entre empresa e trabalhador

Gestão

Trabalho Flexível traz bem-estar para acordo entre empresa e trabalha...

O bem-estar físico não entra por escrito no acordo de trabalho, mas o trabalho flexível pode cumprir essa demanda dos trabalhadores

Bossware: sim ou não?

Tendências

Bossware: sim ou não?

A demanda por ferramentas de vigilância de trabalhadores deu um salto logo no início da pandemia, mas de fato não parou de crescer