s
Crédito: Pixabay
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Inteligência Artificial: 5 maneiras de prevenir a desigualdade social

Os sistemas de IA podem usar dados que contêm enviesamento, ao analisar decisões tomadas anteriormente e repeti-las continuamente

Por Tibério Caetano e Bill Simpson-Young, The Conversation 19/01/2021

De pesquisas do Google e sites de namoro à detecção de fraude de cartão de crédito, a Inteligência Artificial (IA) está sempre encontrando novas maneiras de se infiltrar em nossas vidas. Mas podemos confiar nos algoritmos que a conduzem?

Como humanos, cometemos erros. Podemos ter lapsos de atenção e interpretar mal as informações. No entanto, quando reavaliamos, podemos identificar nossos erros e corrigi-los.

Mas quando um sistema de IA comete um erro, ele será repetido várias vezes, não importa quantas vezes olhe para os mesmos dados nas mesmas circunstâncias.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

A capacidade de um programa de criar artigos impressiona cientistas

Inteligência Artificial

A capacidade de um programa de criar artigos impressiona cientistas

A escrita do GPT-3 parece ter sido criada por um humano. Esse programa de geração de linguagem também é capaz de escrever códigos limpos e suas habilidades poderiam ser usadas em várias áreas

Por Prasenjit Mitra, The Conversation
Desafio de tornar a Inteligência Artificial confiável é imperativo para os negócios

Inteligência Artificial

Desafio de tornar a Inteligência Artificial confiável é imperativo...

As pessoas não estão dispostas a aceitar tecnologias a menos que possam exercer mais controle sobre seus resultados

Por Cristina De Luca
Por que a IA que prevê a estrutura da proteína é tão disruptiva

Inteligência Artificial

Por que a IA que prevê a estrutura da proteína é tão disruptiva

Algoritmo de deep learning AlphaFold, desenvolvido pela DeepMind, resolveu um desafio que intrigava a comunidade científica há 50 anos

Por João Ortega