s
Diversity People Big Data Working Teamwork Share Concept
TENDÊNCIAS

Ingredientes para ecossistemas de dados de sucesso

À medida que as empresas considerem a participação em ecossistemas de dados, é recomendável que estabeleçam um roteiro que trate dos benefícios e desafios comuns a todos os seus integrantes

Os ecossistemas de dados costumam ajudar as organizações a usar os dados que acumulam. Mas também podem ajudá-las a obter vantagem competitiva e criar novo valor em termos de produtos e serviços data-driven, aponta um novo estudo da Capgemini, derivado do relatório “Data sharing masters“, publicado em julho. Organizações melhoraram a satisfação do cliente em 15%; a produtividade e a eficiência em 14%; e reduziram os custos em 11% ao ano, nos últimos dois a três anos, envolvendo-se em ecossistemas de dados.

Não por acaso, ecossistemas de dados abertos estão surgindo em todos os setores, de serviços financeiros a automotivo e aviação. De acordo com a consultoria, 77% por cento das organizações (índice global) se envolvem em alguma forma com ao menos um ecossistema; 48% delas planejam lançar novas iniciativas em um futuro próximo; e 25% vão investir mais de US $ 50 milhões em novos ecossistemas nos próximos três anos. E poderão revertê-los em ganhos financeiros de até $ 940 milhões ou mais 9% da receita anual nos próximos cinco anos. Mas para extrair todos os benefícios pretendidos precisarão de um modelo de negócios claro, onde todos ganhem enfrentando os principais desafios de propriedade de dados, de conformidade regulatória, ética, confiança e privacidade.

O Capgemini Research Institute (CRI) define um ecossistema de dados como uma parceria entre várias instituições para compartilhar e gerenciar dados para criar um novo valor que não teria sido possível no sistema anterior em silos. Essa definição não difere muito da de outras consultoria, como a Deloitte e a McKinsey. Que, inclusive, ressaltam que os ecossistemas de dados não se limitam a um único setor; na verdade, muitos transcendem vários setores.

Receba grátis nossa newsletter

De acordo com a McKinsey, cultivar uma rede de colaboração que motive um grande número de partes com interesses semelhantes a unir forças e buscar objetivos semelhantes, é um dos fatores indispensáveis hoje para a construção de ecossistemas de dados bem sucedidos, já que os principais benefícios do ecossistema vêm da participação de players de diferentes categorias.

Não por acaso, setores voltados para o consumidor, como telecomunicações, finanças, consumidores bens e varejo geralmente estão na vanguarda da construção de ecossistemas de dados, atesta a Capgemini.

Tipos de ecossistemas de dados

Vale ressaltar que os ecossistemas de dados existem de alguma forma há mais de uma década. Mas a nova economia digital provocou mudanças no cenário. O estudo “Data sharing masters“, da Capgemini, identificou seis tipos de ecossistemas mais usuais hoje:

  • De dados abertos – Baseado na publicação e disseminação de dados e informações públicas na Web, seguindo alguns critérios que possibilitam sua reutilização e o desenvolvimento de aplicativos que beneficiem toda a sociedade.
  • De dados de um determinado segmento  –  Pressupõe a publicação e disseminação de dados e informações específicas, seguindo alguns critérios que possibilitam sua reutilização e o desenvolvimento de aplicativos que beneficiem as atividades de um segmento econômico.
  • De corretagem e agregação de dados – Quando uma organização possui, ou agrega, dados que têm valor direto para seus clientes e negocia com terceiros percepções derivadas dele.
  • De compartilhamento recíproco de dados – Nesse modelo, várias empresas trabalham juntas para aumentar a eficiência. O compartilhamento de dados resulta no valor da colaboração. Normalmente, um dos parceiros é o player “dominante”, mas players menores também podem obter valor ao compartilhar dados.
  • De Federated Analytics – O principal objetivo deste modelo é executar análises e derivar insights de dados de outra organização, que não podem ser diretamente compartilhados ou acessados devido a questões regulatórias, ao volume ou a outros motivos. O modelo de negócios deste ecossistema serve para vender acesso a dados para executar análises e a cobrança é baseada não apenas nos dados fornecidos, mas no complexidade e forma da análise.
  • Colaborativo entre a cadeia de fornecimento de dadosNo qual várias organizações atendem a um único cliente ou mercado. Neste modelo, a própria colaboração entre organizações torna-se um novo produto ou serviço, gerando um resultado para o cliente.

Todos possuem características distintas daquelas dos ecossistemas de dados do passado. A saber:

  • Complexidade (multipartidária, heterogênea, incluindo dados de indivíduos, bem como de empresas);
  • Transparência: permite a confiança e a soberania dos participantes sobre seus dados;
  • Abertura e dinamismo (mais fácil de ingressar, participar e sair);
  • Padrões e tecnologia modernos para interoperabilidade;
  • Capacidade de construir uma infraestrutura de software confiável.

E, de acordo com a McKinsey, também se prestam ao surgimento de  arquétipos bem definidos entre seus participantes, de acordo com o modelo de agregação de dados, dos tipos de serviços oferecidos e dos métodos de engajamento com outros integrantes do ecossistema. São eles:

  • Utilitários de dados – Ao agregar conjuntos de dados, os utilitários de dados fornecem ferramentas e serviços de valor agregado para outras empresas. A categoria inclui agências de crédito, empresas de insights do consumidor e plataformas de reclamações de seguros.
  • Centros de excelência em otimização e eficiência de operações – Esse arquétipo integra verticalmente os dados dentro da empresa e a cadeia de valor mais ampla para alcançar eficiências operacionais. Um exemplo é um ecossistema que integra dados de entidades em uma cadeia de suprimentos para oferecer maior transparência e recursos de gerenciamento.
  • Plataformas intersetoriais de ponta a ponta – Ao integrar várias atividades e dados de parceiros, esse arquétipo fornece um serviço de ponta a ponta aos clientes ou negócios por meio de uma única plataforma. Revenda de carros, plataformas de teste e redes de parceria com um programa de fidelidade compartilhado exemplificam esse arquétipo.
  • Plataformas de mercado – Essas plataformas oferecem produtos e serviços como um canal entre fornecedores e consumidores ou empresas. Amazon e Alibaba são exemplos importantes.
  • Infraestrutura B2B (plataforma como negócio) – Esse arquétipo constrói uma infraestrutura central e plataforma de tecnologia na qual outras empresas estabelecem seus negócios de ecossistema. Exemplos de tais negócios são plataformas de gerenciamento de dados e provedores de infraestrutura de pagamento.

No entanto, as barreiras de entrada para estabelecer um ecossistema são tipicamente altas, então as empresas devem entender a paisagem e os obstáculos potenciais. Normalmente, as peças mais difíceis de descobrir são encontrar o melhor modelo de negócios para gerar receitas para o orquestrador e garantir a participação.

A pesquisa da Capgemini revela que os mestres de dados estão expandindo sua capacidade de capitalizar dados externos. Mas outras opções surgiram, como o compartilhamento e troca de dados. Empresas como a BMW têm sido compartilhar seus dados para permitir aplicativos de “dados para bons”. Recentemente, a BMW fez parceria com a Otonomo, uma empresa automotiva plataforma de serviços de dados, para compartilhar seus dados de veículos para permitir cidade inteligente, informações de trânsito em tempo real e outras soluções que melhoram a experiência de direção.

A McKinsey alerta, no entanto, que se o mercado já tiver um grande player estabelecido, as empresas interessadas em participar do ecossistema poderão ter dificuldade para definir uma posição.

Para escolher os parceiros certos, os executivos precisam identificar o valor que eles podem oferecer e, em seguida, selecionar colaboradores que complementem e apóiem ​​suas ambições estratégicas.

Da mesma forma, as empresas devem procurar criar uma proposta de valor única e excelente experiência do cliente para atrair clientes finais e outros colaboradores.

Trabalhar com terceiros geralmente requer recursos adicionais, como equipes de negociação apoiadas por especialistas jurídicos para negociar e estruturar a colaboração com parceiros em potencial. Idealmente, as parcerias devem ser arranjos mutuamente benéficos entre o líder do ecossistema e outros participantes. Isso por que o compartilhamento de dados não é necessariamente natural para negócios.

Portanto, estabelecer governança em torno do compartilhamento de dados será crucial para sair de uma cultura de propriedade para uma de compartilhamento de dados. Novos processos e funções serão necessários para coletar, armazenar e gerenciar dados externos provenientes do ecossistema parceiros. As interfaces com os parceiros precisarão ser definidas, considerando funções e responsabilidades claras para fornecimento ou terceirização dados de natureza e qualidade pré-acordadas. Processos também poderão ter que ser criados ou transformados para verificar e melhorar a qualidade de dados recebidos. Além disso, as necessidades de proteção de dados precisará ser fortalecida, junto com a garantia de exclusão de dados e portabilidade. Principalmente dados pessoais, de acordo com requisitos de legislações como a LGPD e o GDPR.

É possível! Quer um exemplo? Mesmo antes de ter sido declarada a pandemia da Covid-19, dez grandes empresas farmacêuticas – incluindo Johnson & Johnson, AstraZeneca e GSK – empreenderam esforços colaborativos para treinar seus algoritmos de Machine Learning com dados umas das outros para promover a descoberta de vacinas e outros medicamentos eficazes ao tratamento no menor tempo e ao menor custo. Elas usaram blockchain para compartilhar esses dados sem comprometimento de dados confidenciais ou segredos comerciais.

Como projetar, organizar e implantar um ecossistema?

O sucesso de uma estratégia de ecossistema de dados depende da disponibilidade e digitalização dos dados, da prontidão das APIs para permitir a integração, da privacidade e conformidade de dados e do acesso em uma configuração distribuída. Essa gama de atributos exige que as empresas desenvolvam um roteiro consistente, partindo de respostas a algumas perguntas chave e da identificação dos modelos de colaboração possíveis.

Outra decisão importante neste contexto é a escolha dos paarceiros e que papel será desempenhado por eles. Se o acesso a dados externos é crucial para o seu caso de uso, considere se ele atende aos casos de uso do cliente, à sua estratégia de inovação ou às melhorias operacionais. Além disso, considere cuidadosamente a função que sua organização terá no ecossistema. Será um ecossistema que sua organização poderá orquestrar, ou uma organização terceirizada poderá desempenhar essa função?

Muitas vezes, os integradores podem agir como umaa espécie de mediador terceiro neutro em situações onde não é possível para as organizações compartilhar dados diretamente devido a razões regulatórias ou restrições de confidencialidade. Além disso, também podem fornecer consultoria, implementação de tecnologia habilidades e serviços gerenciados.

As consultorias recomendam começar com uma implementação em pequena escala, com uma visão sobre facilitadores de dados e comportamentos, escalonando depois para outros níveis, enquanto se aborda de forma proativa a ética, a confiança, e os requisitos regulatórios que garantirão benefícios a todos.

Portanto, para a implementação inicial:

  1. Defina os termos e condições gerais de colaboração em um memorando de entendimento que permita o compartilhamento de dados por um período inicial de POC e trabalhe em estreita colaboração com um escritório de advocacia especializado para garantir a conformidade da ideia de negócio com todos os requisitos legais e regulamentares para troca de dados.
  2. Gere confiança criando caixas de proteção ou zonas de segurança seguras. O primeiro sandbox sequestra dados brutos de parceiros, marcando-os como inacessíveis até serem colocados em um formulário seguro aprovado pelo parceiro contribuinte. Outras sandboxes atuam como zonas de compartilhamento seguras ou fornecem segurança conforme os dados entram e saem do ecossistema. Os limites legais são mantidos por meio da tecnologia.
  3. Conduza um teste POC no mercado que inclua as principais métricas de desempenho para determinar as condições de compartilhamento do valor justo – por exemplo, marketing experimental de um produto financeiro para a base de clientes de um novo parceiro, aproveitando o conjunto de dados conjuntos.
  4. Se os resultados do POC forem satisfatórios, as partes concordam com um contrato de parceria legal em que o valor e o acordo de divisão de custos são informados pelas principais métricas de desempenho do POC.

As organizações precisariam construir essas diretrizes e processos para criar uma base de confiança e compreensão entre todos os parceiros do ecossistema, garantem as consultoris. Com uma abordagem iterativa e voltada para o valor, os ecossistemas de dados podem ser formados rapidamente, proporcionando benefícios em meses e oferecendo oportunidades de expansão e mais valor a longo prazo.

Compartilhar dados é bom para os negócios

Inovação

Compartilhar dados é bom para os negócios

Mesmo quando evidências apontam que todo mundo que participar pode sair ganhando, a mentalidade de data sharing ainda está emperrando na questão da confiança

Por Redação The Shift
Quatro modelos viáveis de compartilhamento de dados

Economia Digital

Quatro modelos viáveis de compartilhamento de dados

Eles ajudam as empresas a gerar valor em um mundo data-driven. Mas existem muitos desafios

Por Redação The Shift

Entrevista

"O Open Banking deve ser como a eletricidade, conectando tudo e a todo...

Para Seshika Fernando, Vice-Presidente da WSO2, há duas grandes oportunidades no Open Banking: para os bancos expandirem seus canais de contato, e para os 120 milhões de usuários que estão subutilizando os serviços bancários

Por Silvia Bassi