s
Foto: Jelleke Vanooteghem no Unsplash
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

IA tem muito a aprender com os bebês

A forma como eles aprendem pode desbloquear a próxima geração de Machine Learning

A Inteligência Artificial fez progressos surpreendentes nos últimos anos, dominando uma gama crescente de tarefas que incluem agora videogames Atari, jogos de tabuleiro como xadrez e Go, problemas científicos como dobramento de proteínas e modelagem de linguagem. Ao mesmo tempo, o sucesso nesses domínios tornou cada vez mais claro que algo fundamental ainda está faltando. Em particular, os sistemas de IA de última geração ainda lutam para capturar o conhecimento que orienta a previsão, inferência e ação em cenários humanos cotidianos.

Há décadas há um debate contínuo na comunidade de IA sobre o quanto precisamos entender o cérebro humano para gerar um cérebro artificial. Algumas pessoas acreditam que construir um chip com elementos que funcionem como neurônios e depois conectá-los nos levará à verdadeira IA, a AGI. Outras, que insights específicos do aprendizado infantil podem ser aplicados de forma frutífera ao aprendizado de máquina.

Explorar o cérebro de bebês, por exemplo, pode inspirar computadores a "intuir" sobre como as coisas ao seu redor se comportam, diz a DeepMind, e também a aprender com conjuntos de dados mais ricos, que capturam como o mundo está parecendo, soando, cheirando, provando e sentindo, propõem pesquisadores do Trinity College Dublin. O objetivo das duas equipes é dar às máquinas a mesma trajetória de desenvolvimento dos bebês, que aprendem experimentando o mundo ao seu redor, às vezes vendo algo apenas uma vez.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Inteligência Artificial

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Ao economizarem tempo no consumo de insights, em vez de dados brutos, as instituições financeiras construirão melhores serviços, explica Albert Morales, diretor-geral da Belvo

A teia gigante da Economia das APIs

Tendências

A teia gigante da Economia das APIs

São a ponte entre diferentes ecossistemas e são as facilitadoras da inovação. O mercado financeiro nacional é o maior exemplo de que não podemos mais sobreviver sem elas

NeuroAI, a próxima fronteira

Inteligência Artificial

NeuroAI, a próxima fronteira

Ela está ajudando os neurocientistas a tornar os modelos cerebrais in silico mais precisos. Em breve, será possível baixar e usar modelos sensoriais, sob demanda, na saúde, na publicidade, etc.

Créditos de carbono para compensar emissões e preservar as florestas

Tendências

Créditos de carbono para compensar emissões e preservar as florestas

Uma das startups que desenvolve o mercado voluntário no Brasil, a Carbonext atrela a compensação das emissões de CO2 à preservação da Amazônia.

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

Tendências

Quando os atributos são mais relevantes que as habilidades

E por que compreender a diferença entre os dois é um passo crítico para otimizar seu desempenho em tempos desafiadores, segundo os profissionais de RH

Assim nasce uma mediatech

Tendências

Assim nasce uma mediatech

Globo investe em soluções proprietárias de métricas, modelos estatísticos e performance para otimizar a publicidade multiplataforma