s
A obra digital Everydays: The First 5000 Days, de Beeple, foi o primeiro NFT leiloado pela Christie’s e alcançou o lance de US$ 69,3 milhões Crédito: Christie's

TENDÊNCIAS

Dá para ganhar dinheiro com NFT?

O NFT está sendo explorado por artistas gráficos, músicos, empresas de games, esportistas e influenciadores digitais

Por Soraia Yoshida 19/03/2021

Sim. Muitos artistas, colecionadores, galeristas, curadores e sites estão ganhando dinheiro com NFTs. Quem faturou mais até o momento foi Mike Winkelmann, mais conhecido como Beeple, um artista digital da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, que teve seu trabalho vendido por US$ 69,3 milhões. Everydays: The First 5000 Days foi o primeiro NFT leiloado pela Christie’s, uma das mais tradicionais casas de leilão de arte do mundo – o que coloca a arte digital em um patamar muito acima do que as avaliações de especialistas até pouco tempo.

Isso quer dizer que qualquer artista pode fazer arte e ficar milionário? Não. E qualquer um que comprar um NFT vai ficar rico? Também não. Para clarificar, vamos repassar primeiro o que é NFT e como funciona, para então mergulhar nas possibilidades financeiras.

NFT é a sigla para Non-Fungible Tokens, ou tokens não-fungíveis. Fungível define um bem que pode ser consumido e, portanto, pode ser substituído por outra coisa de mesma espécie, qualidade, quantidade e valor (um bitcoin, por exemplo). Um item não-fungível é uma peça única, não consumível e não substituível. Em essência, um NFT é um ativo digital colecionável, que possui valor. Assim como a arte é vista como um investimento de retenção de valor, agora também o são os NFTs.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

A transformação da força de trabalho

Inovação

A transformação da força de trabalho

As organizações estão olhando para sua força de trabalho pelas habilidades e como um ecossistema que inclui colaboradores externos.

Por Soraia Yoshida
A transformação plant-based que nasceu da castanha

Entrevista

A transformação plant-based que nasceu da castanha

De um produto que nasceu para aproveitar a matéria-prima do negócio da família, a Positive Brands construiu uma marca que investe no plant-based para transformar a alimentação das pessoas, como conta o cofundador Rodrigo Carvalho

Por Soraia Yoshida
Realidade virtual começa a transformar a educação

Tendências

Realidade virtual começa a transformar a educação

Experiências imersivas estão associadas a maior atenção e retenção de informações, e são aplicadas em escolas e treinamentos corporativos

Por João Ortega
Como lideranças podem prever tendências e planejar o futuro

Tendências

Como lideranças podem prever tendências e planejar o futuro

Em um mundo que está sempre mudando, compreender o contexto do que já passou e planejar para o que ainda vem aí é o grande desafio

Por Soraia Yoshida
Temor ou cuidado? Qual deve ser a nosso sentimento diante da IA?

Inteligência Artificial

Temor ou cuidado? Qual deve ser a nosso sentimento diante da IA?

Ambos, na justa medida. Entre as narrativas apocalípticas utópicas, precisaremos apostar no bom senso e nos agarrarmos aos valores e à ética humanos para garantir os benefícios da tecnologia

Por Cristina De Luca
“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Entrevista

“O RH tem que ser um criador de capacidades”

Há mais de cinco anos, Ludymila Pimenta criou a RHlab para ser um laboratório de soluções inovadoras em gestão de gente, mas com potencial de desenvolver talentos e lideranças

Por Soraia Yoshida