s
GREEN SHIFT

Crescem a rotulagem climática e os produtos carbono neutro

O uso de selos para comprovar ações de responsabilidade ambiental nas empresas, como o selo de produto carbono neutro, já é uma realidade no Brasil

As discussões sobre a mudança climática e a sua correlação com as emissões de gases de efeito estufa (GEE) já estão em pauta há décadas. Conforme o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), publicado em 2021, para frear o aumento da temperatura globa devemos repensar o uso de combustíveis fósseis. E, para o Brasil, é fundamental também combater o desmatamento, promover a recuperação florestal e mudar as práticas agrícolas.

O grande desafio para atingir as metas estipuladas na COP26 – como equilibrar o balanço entre emissões e remoções de GEE até a metade deste século (2050), visando limitar o aquecimento da temperatura média global em 2 ºC (com esforços para limitá-lo a 1,5ºC) — exige políticas globais ambiciosas de descarbonização.

Com a repercussão do tema, tem crescido também a cobrança por parte da sociedade de como os diversos setores da economia devem atuar para diminuir o impacto ambiental de seus negócios. A exigência pela transparência e ética nos negócios vem ganhando força ao longo dos últimos anos em todas as camadas da sociedade.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Mais Felipe Bittencourt