s
Crédito: Pexels

INOVAÇÃO

Como desenvolver imunidade de rebanho à inovação

O mercado publicitário ajudou a difundir a ideia de que são ferramentas que levam à criatividade, dando a ideia de que inovar é fácil e divertido, quando pode ser um processo bem sofrido

Por Soraia Yoshida 21/06/2021

Brainstorming e Design Thinking são duas metodologias que caíram no “gosto popular” corporativo e são usadas para quase tudo como sinônimo de ideação e inovação, inclusive em argumentos em que nem chegaram perto. O mercado publicitário ajudou a difundir a ideia de que são ferramentas que levam à criatividade – dando a seus usuários a ilusão de que inovar é fácil e divertido, escreve Amnon Levav, cofundador e diretor de inovação da SIT - Systematic Inventive Thinking Ltd.

"O brainstorming, famoso por sua invenção independente, mas quase simultaneamente, por Alex Osborn e Walt Disney no início dos anos 50, desempenhou um papel importante em seus primeiros dias na promoção da criatividade e da inovação, especialmente no mundo corporativo. Os executivos anteriormente oprimidos de repente receberam uma “licença para não matar” e, mais importante, para não ser morto, que lhes permitiu expor suas ideias em relativa segurança. Na cultura hierárquica fechada daquela época, isso era inestimável e contribuiu para uma verdadeira revolução cultural", escreve Levav.

Segundo ele, o brainstorming continua sendo uma ferramenta que pode ajudar a motivar os participantes a serem ativos em uma discussão com o objetivo de compartilhar ideias que já têm e de promover a formação de equipes. Então, o que há para não gostar? O fato de que quem propõe seu uso normalmente afirma que é "um método confiável para gerar novas idéias", critica Levav. "Não é, e isso é confirmado repetidamente pela experiência de seus usuários corporativos. Uma busca rápida por 'pesquisas mostrando que o brainstorming não funciona' fornece bastante material para comprovar esse fato", sugere

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação digital

Inovação

Abes SW Conference dia 3: as pessoas são a chave da transformação d...

Grande parte dos profissionais brasileiros ainda precisam desenvolver as habilidades necessárias na nova economia, mas é possível solucionar esse problema com parcerias e um foco na rede pública de ensino.

Por Marina Hortélio
MedRoom: viagens pelo corpo humano com ajuda de VR

Entrevista

MedRoom: viagens pelo corpo humano com ajuda de VR

A startup usa Realidade Virtual para melhorar o aprendizado dos estudantes de saúde e quer usar sua tecnologia para viabilizar um ensino realmente híbrido, como conta o cofundador e CEO da MedRoom, Vinícius Gusmão

Por Marina Hortélio
Abes SW Conference dia 1: sem inovação não há resiliência

The Shift

Abes SW Conference dia 1: sem inovação não há resiliência

No evento gratuito, os convidados também apontaram que saber trabalhar com parceiros, como as startups, é um ponto chave para criar uma empresa mais inovadora

Por Marina Hortélio
Na Locaweb, M&A integra a estratégia de crescimento

Inovação

Na Locaweb, M&A integra a estratégia de crescimento

Já são 18 empresas adquiridas desde 2012. A estratégia de aquisições foi acelerada após o IPO, em fevereiro de 2020

Por Marina Hortélio
Aviação após o 11 de setembro: novas regras e mais tecnologia

Segurança

Aviação após o 11 de setembro: novas regras e mais tecnologia

O atentado terrorista contra os EUA mudou a experiência de viajar, com a adoção de novos protocolos como scanners de passageiros e o reforço da identificação dos viajantes antes do embarque

Por Marina Hortélio
Startups X PEs: a chave é transformar conhecimento em resultado

Inovação

Startups X PEs: a chave é transformar conhecimento em resultado

Pesquisa da Fundação Dom Cabral, divulgada com exclusividade pela The Shift, indica que as pequenas empresas podem se espelhar nas startups para ganharem força no mercado

Por Marina Hortélio