s
Créditos: (Unsplash/Arturo Rey)
TENDÊNCIAS

Com o D2C, as marcas são realmente donas da relação com o consumidor

Desde nomes conhecidos, como Nike e Adidas, até marcas menores e nativas digitais estão apostando no formato de venda direta ao consumidor.

Para o consumidor, comprar no Empório Nestlé pode ser uma mera conveniência. Para a marca, o site encabeça a estratégia direct-to-consumer (D2C). É nesse espaço que a empresa consegue conhecer a fundo seus clientes, fazer testes e oferecer uma melhor experiência de compra. A multinacional é apenas uma das grandes empresas a adotar o modelo de vendas diretas ao consumidor, uma tendência do varejo que se baseia no corte dos intermediários. Desde nomes conhecidos, como Nike e Adidas, até marcas menores e nativas digitais estão apostando neste formato.

Apesar de existir antes da pandemia, o modelo ganhou força quando o coronavírus obrigou a revisão das estratégias comerciais das empresas. As vendas diretas podem ser realizadas online ou offline, mas o e-commerce foi o grande responsável pelo boom do D2C. Na visão do CEO da empresa de mídia e pesquisa The Lead, Noah Gellman, a redução dos pedidos do atacado durante o lockdown fez os fabricantes se voltarem para seu braço digital. Mesmo recebendo pouco investimento e com times enxutos, essa vertical era capaz de construir um modelo direto ao consumidor.

“O Brasil tinha um varejo tipicamente físico. Com o fechamento das lojas, o varejo não alimentar começou a ter problemas e a opção para manter o negócio aberto era ir para o mundo digital. Preocupadas, as empresas começaram a se perguntar se não era o momento de revisitar os canais tradicionais de venda. Já existiam modelos interessantes de empresas D2C e com entregas diretas ao consumidor. Isso despertou um interesse nos fabricantes que estavam nessa tempestade perfeita”, explica Fernando Gambôa, Sócio-líder de Consumo e Varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Como criar uma estratégia de inovação

Inovação

Como criar uma estratégia de inovação

Como um negócio começa sua jornada de inovação e por que ter uma estratégia é fundamental para fazer a coisa acontecer

Trabalhadores esperam que CEOs sejam a

Tendências

Trabalhadores esperam que CEOs sejam a "face da mudança"

Mais de 70% das pessoas confiam nas empresas, mas a falta de confiança em governantes pode afetar ações de combate à pandemia e mudanças climáticas, aponta Barômetro de Confiança Edelman

Por Kate Whiting, Fórum Econômico Mundial
5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Inovação

5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Dos veículos elétricos à plataformização de serviços e ao welness virtual, os unicórnios mudaram negócios e todo mundo tem que correr para acompanhar

Controle, prazer e ética: tendências para o consumo em 2022

Tendências

Controle, prazer e ética: tendências para o consumo em 2022

O sentimento de precariedade e insegurança financeira faz com que as pessoas busquem recuperar um senso de controle sobre todos os aspectos da sua vida

Virtual influencers encontram o metaverso

Inteligência Artificial

Virtual influencers encontram o metaverso

Também nos ambientes 3D, os influenciadores virtuais podem humanizar toda a identidade de uma marca e se tornar a representação mais pessoal dos valores de uma empresa

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Inovação

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Por Marina Hortélio