s
As empresas apostam no crescimento do ecossistema da casa inteligente para oferecer diferentes produtos e serviços Crédito: Pixabay
MERCADO

Casa inteligente: para onde vai esse mercado

Com o aumento da venda de smart TVs e de assistentes digitais, o mercado de casas inteligentes deve crescer ainda mais rápido

Por Soraia Yoshida 19/07/2021

Os investimentos em tecnologias de casa inteligente (smart home) estão aumentando. As taxas de adoção, principalmente na Europa e Estados Unidos, também. Os consumidores, que antes enxergavam esses produtos como “luxos”, agora olham para assistentes de voz, alto-falantes inteligentes e monitoramento residencial como “itens domésticos padrão”.

Um estudo do BCG identificou cerca de 1.500 participantes no ecossistema de smart home, do Google à startup Redback, que permite aos usuários armazenar energia solar para uso doméstico. Com apenas três anos, a BrainCo projetou um dispositivo wearable para ajudar as pessoas a aumentar seu nível de atenção e eficiência. Divididas em 11 setores – incluindo segurança, saúde e energia inteligente – essas empresas receberam quase US$ 12 bilhões em investimentos. O mais interessante é que o estudo aponta que nenhuma companhia se estabeleceu ainda como líder de mercado, o que deixa espaço para crescimento e inovação.

Receba grátis nossa newsletter

 

Estudos e especialistas do mercado apontam um crescimento a uma taxa composta anual de 42% até 2022 na adoção de dispositivos smart home nos EUA. Embora o smart home seja identificado à primeira vista como um mercado único, a análise do BCG mostra que os subsetores atingiram seu pico em diferentes momentos em termos de valor e volume de investimento.

As startups de cozinha inteligente, por exemplo, atingiram seu pico em 2015. Os assistentes virtuais pegaram em 2017, mas esse segmento continuará crescendo rapidamente nos próximos três a cinco anos, principalmente com a melhoria e entrada de novos recursos. O BCG aponta ainda que o setor como um todo verá um ciclo virtuoso: “quanto mais dispositivos para casa inteligente se conectarem a esses dispositivos, mais populares tanto os dispositivos quanto os gadgets que eles habilitam se tornarão”.

 

Amazon (com Alexa) e Google (com Google Home) apostam em assistentes digitais e alto-falantes inteligentes como um ponto de controle crítico dentro do ecossistema de casa inteligente. Esses dispositivos são capazes de gerar uma quantidade enorme de dados sobre sobre o comportamento humano, o que será inestimável para as empresas. A Apple ocupa um espaço desse mercado com Siri. Embora conte com Big Techs entre os líderes, o mercado vem sendo cada vez mais disputado por players. No ano passado, uma pesquisa mostrou que consumidores brasileiros se lembravam espontaneamente também de Motorola, Vivo e Bradesco.

Audiovisual (A/V) é o segundo maior segmento do setor de casa inteligente em termos de volume de investimento e número de aquisições. Os consumidores têm adquirido cinemas domésticos inteligentes e sistemas A/V que aplicam tecnologias de tela sensível ao toque e comando de voz em alto-falantes, televisores, e outros dispositivos. O segmento está avançando rumo a outros caminhos: a Coocaa, divisão de internet da fabricante chinesa de TV Skyworth Digital Holdings, recebeu US$ 44 milhões em financiamento para desenvolver uma televisão que protege os olhos eliminando a luz azul, que pode afetar o sono e causar outras doenças, segundo estudos.

 

O relatório do BCG aponta que caminhamos para uma fusão do setor de saúde e bem-estar com a indústria de casas inteligentes. A coleta e análise de urina para monitoramento de rotina podem acontecer eventualmente em casa, o que eliminaria as viagens e idas a laboratórios clínicos. Até o sono pode ser “inteligente”: a Eight Sleep, que arrecadou US$ 33,3 milhões em financiamento de risco, desenvolveu um colchão que inclui controles de temperatura e um alarme que pode detectar quando uma pessoa está em um sono leve e se modula de acordo, comunicando-se com outros dispositivos para desligar luzes e bloquear portas. Recentemente, a Amazon conseguiu permissão para monitorar o sono usando radar. São movimentos que apontam para a expansão do ecossistema e a interligação e interconexão de diferentes dispositivos que vão se “falar” para tornar a operação da casa inteligente sem fricção.

O ecossistema da casa inteligente tem sido já há algum tempo a aposta de algumas Big Techs, que vêm se movendo para aquisição da startups e empresas. A Amazon comprou a Ring, fabricante de campainhas e câmeras conectadas à Internet, por cerca de US$ 1 bilhão em 2018. O Google comprou a Nest, que entre outros produtos fabrica termostatos inteligentes e detectores de fumaça, em 2014. A Samsung comprou a SmartThings, que oferece uma plataforma para casa inteligente.

Smart TVs puxam crescimento do mercado

No primeiro trimestre, as vendas de produtos desse segmento aumentaram 25% na Europa, puxadas principalmente por Smart TVs, de acordo com a IDC. No primeiro trimestre, as smart TVs representaram quase 80% do segmento de entretenimento em vídeo.

A projeção é que smart TVs e adaptadores de mídia digital vão somar uma produção de 54,7 milhões de unidades este ano, respondendo por 46,6% dos dispositivos domésticos inteligentes – portanto, quase metade de todos os produtos domésticos inteligentes vendidos na Europa este ano. Em 2025, esse volume deve atingir 75,7 milhões de unidades.

Os alto-falantes inteligentes devem chegar a 30,9 milhões de unidades este ano, chegando a mais de 50 milhões até 2025. Esse segmento tem sido puxado por Amazon e Google, que estão mantendo os preços acessíveis.

E é melhor aproveitar agora, pois a participação desses produtos deve cair nos próximos anos, com a ascensão do segmento mais tecnológico do mercado. Monitoramento e segurança residencial, iluminação inteligente e termostatos com IA embarcada atingiram uma produção de 6,1 milhões de unidades no primeiro trimestre, um aumento de 26,7% em relação ao mesmo período de 2020. A IDC prevê que monitoramento e segurança serão responsáveis por mais da metade do mercado neste ano, mas que a iluminação inteligente estará na ponta em 2025, com um crescimento a uma taxa composta de 39% e empurrando as remessas para 37 milhões.

Segundo a IDC, as vendas mundiais dos dispositivos smart home atingiram 800 milhões de unidades em 2020, mesmo com a pandemia (ou talvez por causa dela), superando o ano de 2019 em 4,5%. E para 2025, a expectativa é de que esse número anual chegue a 1,4 bilhão de equipamentos vendidos.

3 tecnologias que vão mudar o futuro da humanidade

Inovação

3 tecnologias que vão mudar o futuro da humanidade

O físico teórico Michio Kaku afirma que dentro das próximas décadas o câncer será tão trivial quanto uma gripe comum

Por Redação The Shift
A crise energética tem jeito. As soluções passam pelo digital

Tendências

A crise energética tem jeito. As soluções passam pelo digital

Agora é a hora de investir em colaboração, inovação e, principalmente na transformação digital que pode alavancar o uso, a gestão e a criação de uma nova a matriz energética, mais limpa

Por Cristina De Luca
Até o fim do ano, as conexões IoT ultrapassarão as dos dispositivos não IoT

Internet das Coisas

Até o fim do ano, as conexões IoT ultrapassarão as dos dispositivos...

Dos 21,7 bilhões de dispositivos conectados ativos em todo o mundo, 11,7 bilhões (ou 54%) serão conexões de dispositivos IoT no final de 2020

Por Redação The Shift
As maiores tendências em tecnologia até 2030

Tendências

As maiores tendências em tecnologia até 2030

Novo relatório aponta como a combinação de tecnologias vai tornar sua adoção exponencial e trazer novos modelos de negócios

Por Soraia Yoshida
Como lideranças podem prever tendências e planejar o futuro

Tendências

Como lideranças podem prever tendências e planejar o futuro

Em um mundo que está sempre mudando, compreender o contexto do que já passou e planejar para o que ainda vem aí é o grande desafio

Por Soraia Yoshida
Como saber se o seu modelo de negócio é sustentável

Sustentabilidade

Como saber se o seu modelo de negócio é sustentável

Após analisar mais de 100 modelos de negócios por meio dos quais as empresas agregaram valor comercial e benefícios ambientais e sociais, a BCG propõe uma análise

Por Redação The Shift