s
Crédito: Thought Caalog/Unsplash

ECONOMIA DIGITAL

A vitória da Uber e Lyft na Califórnia: o que muda

Os eleitores da Califórnia decidem que os motoristas de Uber e Lyft são "contratados", enquanto os operários continuam em busca de um salário digno

Por Juliet B. Schor, The Conversation 09/11/2020

Uber, TaskRabbit e outras empresas de serviços de entrega e de viagem compartilhada na Califórnia podem continuar classificando seus trabalhadores como contratados independentes, em vez de funcionários, depois que os eleitores da Califórnia aprovaram uma medida conhecida como Proposta 22, de acordo com a contagem ainda não oficial do estado.

A questão fundamental se os motoristas do Uber e trabalhadores semelhantes devem ser considerados funcionários ou contratados tem sido debatida e motivo de litígio há anos. A questão é muitas vezes enquadrada, embora de maneira imprecisa, como uma compensação entre a flexibilidade que vem com a independência frente aos rendimentos e benefícios mais altos que os funcionários tendem a obter.

O Uber e outros apoiadores da Proposta 22 argumentaram que a medida proporcionaria flexibilidade e alguns benefícios semelhantes aos dos funcionários, como um salário mínimo garantido.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a Cyber Week e assine

As duas faces da gig economy

Economia Digital

As duas faces da gig economy

De um lado, trabalhadores informais recorrem a plataformas de delivery por necessidade. Do outro, profissionais qualificados buscam maior flexibilidade. Como garantir direitos a todos?

Por João Ortega
Economia circular vem para repensar modelos de negócios

Entrevista

Economia circular vem para repensar modelos de negócios

Eleito pelo Fórum Econômico Mundial como Empreendedor Social de 2020, Guilherme Brammer sugere aplicar a ótica da eficiência e da sustentabilidade ao consumo

Por João Ortega
Quando o algoritmo decide

Inteligência Artificial

Quando o algoritmo decide

Motoristas estão processando o Uber na UE por terem sido descadastrados do aplicativo sem que a decisão passasse por um humano

Por João Ortega