s
Unsplash/Martin Sanchez
SEGURANÇA

Brasil estagna no ranking de competitividade digital

O país se manteve na posição 51 no IMD World Digital Competitiveness Ranking 2021, que mede indicadores de conhecimento, tecnologia e prontidão futura.

A competitividade digital brasileira pode melhorar. O Brasil se manteve na posição 51 no grupo de 64 países ranqueados pelo "IMD World Digital Competitiveness Ranking 2021", do International Institute for Management Development, realizado em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC) - essa é a mesma colocação de 2020. A avaliação é que, dado o tamanho da economia nacional, o país deveria estar mais bem posicionado. Na América Latina, o Brasil aparece na segunda posição, atrás do Chile (39º). Em relação aos cinco países dos BRIC’S, a nação ocupa o segundo lugar, à frente apenas da África do Sul (60º).

Na visão do responsável pelo capítulo brasileiro do relatório do IMD, Carlos Arruda, que é professor de Inovação e Competitividade da FDC, o Brasil deveria estar listado na casa dos 30, como o Chile. A estagnação no ranking ocorreu apesar de melhorias, como o marco da melhor colocação da história no quesito conhecimento (51º). O relatório mede outros dois pontos: tecnologia e prontidão futura.

“A quantidade de pontos que o Brasil obteve esse ano é melhor que a do ano passado. O país melhorou, mas não foi suficiente. A gente vê retrocessos, mas também vemos avanços. As empresas estão mais conscientes do seu papel e mais orientadas a investir na requalificação dos profissionais para explorar melhor a tecnologia digital. Há a simplificação no marco regulatório, o país criou o Marco Legal das Startups , por exemplo. Então, a direção e as ações estão corretas, mas o Brasil precisa ser mais ágil no processo de digitalizar a sociedade e a economia para ganhar posições competitivas”, afirma Arruda.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Entrevista

"Compre agora, pague depois", em ritmo de América Latina

O BNPL (Buy Now, Pay Later), crédito online parcelado, faz sucesso nos EUA impulsionado pela geração Z. Na América Latina, a fintech colombiana Addi foca no lado inclusivo da tecnologia, e entra no Brasil usando o PIX como forma de cheg...

5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Inovação

5 tendências que os unicórnios mudaram para sempre

Dos veículos elétricos à plataformização de serviços e ao welness virtual, os unicórnios mudaram negócios e todo mundo tem que correr para acompanhar

Blockchain começa a ser aplicado na gestão de talentos

Inovação

Blockchain começa a ser aplicado na gestão de talentos

Para cada um de nós, pode funcionar como uma certificação, agora que as soft skills são cada vez mais valorizadas. Para as corporações, a chance de conhecer melhor cada profissional

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Inovação

Plataformas Low-Code e No-Code apoiam a transformação digital

Startups Low-Code e No-Code permitem que empresas lancem produtos digitais mais rápido e com menos envolvimento das equipes de TI.

Por Marina Hortélio
Destino de moradia: o novo posicionamento do QuintoAndar

Economia Digital

Destino de moradia: o novo posicionamento do QuintoAndar

Nova identidade marca uma virada nos negócios da proptech, que agora quer ir além do aluguel e cuidar de tudo para que as pessoas morem melhor: da administração do condomínio às reformas

Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 2022

Inovação

Kwai aponta 8 tendências para as plataformas de vídeos curtos em 202...

Plataformas de vídeos curtos, como Kwai e TikTok, ganharam força na pandemia e devem continuar crescendo em 2022

Por Marina Hortélio