s
Unsplash/Martin Sanchez
SEGURANÇA

Brasil estagna no ranking de competitividade digital

O país se manteve na posição 51 no IMD World Digital Competitiveness Ranking 2021, que mede indicadores de conhecimento, tecnologia e prontidão futura.

A competitividade digital brasileira pode melhorar. O Brasil se manteve na posição 51 no grupo de 64 países ranqueados pelo "IMD World Digital Competitiveness Ranking 2021", do International Institute for Management Development, realizado em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC) - essa é a mesma colocação de 2020. A avaliação é que, dado o tamanho da economia nacional, o país deveria estar mais bem posicionado. Na América Latina, o Brasil aparece na segunda posição, atrás do Chile (39º). Em relação aos cinco países dos BRIC’S, a nação ocupa o segundo lugar, à frente apenas da África do Sul (60º).

Na visão do responsável pelo capítulo brasileiro do relatório do IMD, Carlos Arruda, que é professor de Inovação e Competitividade da FDC, o Brasil deveria estar listado na casa dos 30, como o Chile. A estagnação no ranking ocorreu apesar de melhorias, como o marco da melhor colocação da história no quesito conhecimento (51º). O relatório mede outros dois pontos: tecnologia e prontidão futura.

“A quantidade de pontos que o Brasil obteve esse ano é melhor que a do ano passado. O país melhorou, mas não foi suficiente. A gente vê retrocessos, mas também vemos avanços. As empresas estão mais conscientes do seu papel e mais orientadas a investir na requalificação dos profissionais para explorar melhor a tecnologia digital. Há a simplificação no marco regulatório, o país criou o Marco Legal das Startups , por exemplo. Então, a direção e as ações estão corretas, mas o Brasil precisa ser mais ágil no processo de digitalizar a sociedade e a economia para ganhar posições competitivas”, afirma Arruda.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Economia

Startups latinas recebem US$ 28,6 bilhões em 5 anos

Relatório da Movile em parceria com o Distrito indica crescimento do ecossistema latino de inovação e mostra como a região já recuperou de crises anteriores.

Vamos explicar a Web5?

Economia

Vamos explicar a Web5?

Jack Dorsey resolveu tumultuar a já tumultuada Web3 e anunciou os planos da sua empresa Block Inc. de montar a próxima-próxima Web. Explicamos, sem tomar muito do seu tempo.

Plant-based está crescendo, mas ainda precisa enfrentar desafios

Inovação

Plant-based está crescendo, mas ainda precisa enfrentar desafios

Startups e grandes empresas competem por um espaço no prato dos consumidores de alimentos plant-based, que demanda produtos cada vez mais saudáveis, similares aos de origem animal, clean-label e acessíveis

O desafio de digitalizar as importações e exportações latinas

Internet das Coisas

O desafio de digitalizar as importações e exportações latinas

O unicórnio mexicano Nowports quer ser o one-stop-shop do transporte de cargas internacional da América Latina para aumentar a transparência e a eficiência do setor

Tecnologia em prol da logística reversa

Inovação

Tecnologia em prol da logística reversa

A cleantech Polen utiliza o blockchain para dar transparência às iniciativas de logística reversa

As três prioridades para acelerar a descarbonização das indústrias

Inovação

As três prioridades para acelerar a descarbonização das indústrias

Essencial para que as empresas alcancem o net-zero, a tecnologia também é uma forma de aumentar a competitividade das companhias

Por Roland Busch, Fórum Econômico Mundial