s
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

A Inteligência Artificial precisa passar de tática a estratégica

E o caminho pode estar na maior conscientização das lideranças executivas sobre os benefícios da tomada de decisão aprimorada pela tecnologia

C-levels sabem há muito tempo que devem abraçar a mudança e a incerteza. Mas a maioria não foi treinada para navegar pelas disrupções multidimensionais, sobrepostas e em evolução permanente, como as que temos hoje.

O uso da Inteligência Artificial tem sido apontado por todas as consultorias como solução imediata para a superação do gap de conhecimento e de experiência, na hora de definir as estratégias que poderão assegurar a sustentabilidade dos negócios. No entanto, essa solução ainda esbarra na desconfiança das lideranças nos insights fornecidos pela IA.

Embora venha sendo amplamente adotada para a tomada de decisões táticas, como análise de crédito, recomendações de upselling, chatbots e gerenciamento de desempenho, pesquisas comprovam que a Inteligência Artificial ainda é frequentemente desconsiderada para a tomada de decisões estratégicas, como previsões do futuro, reformulação de linhas de produtos e ajustes de estratégias corporativas.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Alfabetização de dados pode ser vantagem competitiva

Tendências

Alfabetização de dados pode ser vantagem competitiva

Os trabalhadores com capacidade de ler, interpretar e discutir dados quantitativos como fonte de informação tomam decisões melhores e mais rápidas

A IA ajuda a definir o produto certo, pelo preço certo

Inteligência Artificial

A IA ajuda a definir o produto certo, pelo preço certo

Modelo data-driven e algoritmos criados pelo marketing da Mercedes-Benz Caminhões no Brasil deram tão certo que serão exportados para outros mercados com características semelhantes

Por Cristina De Luca
Chegou a hora de quebrar o velho molde da estratégia

Entrevista

Chegou a hora de quebrar o velho molde da estratégia

E aliar as ciências do comportamento (antropologia, psicologia, semiótica) à ciência de dados para interpretar os sinais que levarão à inovação, diz Cintia Gonçalves, fundadora da Wiz&Watcher