s
Crédito: Shutterstock

ENTREVISTA

O impacto da vigência da LGPD nos setores público e privado

Especilistas lamentam que as circunstâncias tenham invertido a lógica do sistema de proteção, que previa uma ANPD atuante antes da vigência da lei.

Por Cristina De Luca 28/08/2020

A vigência da LGPD, que regulamenta o uso de dados pessoais de clientes e usuários por empresas públicas e privadas, sem que a haja uma autoridade reguladora já estabelecida e em plena atividade, pode colocar em risco a própria eficácia da lei. É a opinião de dois advogados que têm trabalhado com processos de conformidade nas duas frentes.

Fabrício da Mota Alves, sócio do escritório Garcia de Souza Advogados, tem entre seus clientes órgãos de diferentes esferas da administração pública. Rony Vainzof, Sócio do Opice Blum, Bruno, Abrusio e Vainzof Advogados Associados, tem atendido bancos, indústrias, grandes varejistas e empresas de outros segmentos econômicos. Ambos lamentam muito que as circunstâncias tenham invertido a lógica do sistema de proteção, que previa uma ANPD atuante antes da vigência da lei. E comentam os impactos disso em suas áreas de atuação.

Rony Vainzof, do Opice Blum Advogados Associados

Setor Privado

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Experimente grátis por 30 dias

LGPD entra em vigor. E a Autoridade de Proteção de Dados?

Segurança

LGPD entra em vigor. E a Autoridade de Proteção de Dados?

As organizações já deveriam estar pensando em dar um foco enorme para o cumprimento dos direitos dos cidadãos

Por Cristina De Luca
O que sua empresa deve fazer em relação à LGPD?

Segurança

O que sua empresa deve fazer em relação à LGPD?

Estão em jogo questões como o respeito à privacidade, a liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião, além da inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem

Por Redação The Shift
Adoção do Privacy by Design gera vantagem competitiva

Entrevista

Adoção do Privacy by Design gera vantagem competitiva

Produtos e serviços devem ser concebidos e projetados com privacidade como uma prioridade absoluta, até por uma questão econômica, defende Bruno Bioni, fundador do Data Privacy Brasil