s
Crédito: Stefan Cosma/Unsplash
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Vale dar um pouco de consciência à IA?

Organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial

Nas últimas semanas, especialistas de todo o mundo se debruçaram sobre um tema espinhoso: a possibilidade de as máquinas adquirirem autoconsciência quando se tornarem suficientemente complexas. Isoladas, ou operando em rede, elas poderiam adquirir alguma autoconsciência, manifestada em contextos específicos, como quando somos confrontados com informações que nos forçam a reavaliar nosso ambiente e, em seguida, tomar uma decisão executiva sobre o que fazer a seguir, como já fazem alguns robôs?

Pesquisadores de IA, como Yoshua Bengio, diretor da Mila, estão cada dia mais influenciados pela neurociência e determinados a investigar se as redes neurais podem e devem atingir os mesmos níveis elevados de cognição que ocorrem no cérebro humano. A esperança é a de que um nível de percepção análogo à consciência em humanos possa tornar as IAs futuras muito mais inteligentes.

Mas dar às máquinas o poder de pensar assim também acarreta riscos - e incertezas éticas. Por isso, organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial. Que, quase sempre, passa pela ideia de evitar vieses e desenvolver uma IA mais justa, explicável e responsável.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

A análise de dados em tempo real é vital hoje

Inteligência Artificial

A análise de dados em tempo real é vital hoje

Seus benefícios comerciais, independentemente do setor, continuarão a impulsionar a adoção

Responsabilidade pela ética da IA é dos C-levels

Inteligência Artificial

Responsabilidade pela ética da IA é dos C-levels

À medida que a adoção da IA ​​aumenta rapidamente, é fundamental que a ética da IA ​​progrida de teorias abstratas para práticas concretas, sob a batuta dos executivos das áreas de negócios

Personalização e IA andam de mãos dadas

Inteligência Artificial

Personalização e IA andam de mãos dadas

A tecnologia ajuda a compreender as necessidades específicas de cada consumidor e a estabelecer uma comunicação direta e eficaz, para melhorar o relacionamento entre marca e cliente

A Inteligência Artificial e seus três eixos regulatórios

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial e seus três eixos regulatórios

A ética dos dados, a ética dos algoritmos e a ética das práticas devem embasar as propostas de legislação que busquem provocar a internalização de conceitos de “certo” ou “errado”

Por Gustavo Artese*, especial para The Shift
NIST aponta caminhos para reduzir o viés da IA

Inteligência Artificial

NIST aponta caminhos para reduzir o viés da IA

Frequentemente visto como um problema técnico, estudo reconhece que grande parte do problema decorre de vieses humanos, sistêmicos e institucionais. E aponta formas de resolvê-los

A Inteligência Artificial precisa passar de tática a estratégica

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial precisa passar de tática a estratégica

E o caminho pode estar na maior conscientização das lideranças executivas sobre os benefícios da tomada de decisão aprimorada pela tecnologia