s
Crédito: Stefan Cosma/Unsplash

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Vale dar um pouco de consciência à IA?

Organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial

Nas últimas semanas, especialistas de todo o mundo se debruçaram sobre um tema espinhoso: a possibilidade de as máquinas adquirirem autoconsciência quando se tornarem suficientemente complexas. Isoladas, ou operando em rede, elas poderiam adquirir alguma autoconsciência, manifestada em contextos específicos, como quando somos confrontados com informações que nos forçam a reavaliar nosso ambiente e, em seguida, tomar uma decisão executiva sobre o que fazer a seguir, como já fazem alguns robôs?

Pesquisadores de IA, como Yoshua Bengio, diretor da Mila, estão cada dia mais influenciados pela neurociência e determinados a investigar se as redes neurais podem e devem atingir os mesmos níveis elevados de cognição que ocorrem no cérebro humano. A esperança é a de que um nível de percepção análogo à consciência em humanos possa tornar as IAs futuras muito mais inteligentes.

Mas dar às máquinas o poder de pensar assim também acarreta riscos - e incertezas éticas. Por isso, organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial. Que, quase sempre, passa pela ideia de evitar vieses e desenvolver uma IA mais justa, explicável e responsável.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Por que construir uma AI DAO?

Inteligência Artificial

Por que construir uma AI DAO?

Porque para construir DAOs de sucesso, precisamos de máquinas inteligentes

Por Cristina De Luca
A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Inteligência Artificial

A tecnologia que faz surdos e ouvintes se entenderem

Com o uso de Inteligência Artificial, a startup alagoana Hand Talk traduz português e inglês em línguas de sinais. O propósito é reduzir as barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes, como conta o CEO Ronaldo Tenório

Por Marina Hortélio
E a IA começa a se tornar onipresente, de fato

Inteligência Artificial

E a IA começa a se tornar onipresente, de fato

Com TinyML, qualquer objeto, por menor que seja, se tornará inteligente. A tecnologia permite fazer mais com menos espaço e poder computacional

Por Cristina De Luca
Chegou a hora de quebrar os silos de dados

Inteligência Artificial

Chegou a hora de quebrar os silos de dados

A boa notícia para a indústria de dados e IA é que os data warehouses, os data lakes e as lakehouses estão crescendo muito rápido, em escala

Por Cristina De Luca
Por uma IA que trabalhe melhor com o português

Inteligência Artificial

Por uma IA que trabalhe melhor com o português

Centro de Inteligência Artificial da USP, em parceria com a Fapesp e a IBM, se prepara para liberar três conjuntos de dados open source para treinamento de modelos NLP no nosso idioma

Por Cristina De Luca
IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Inteligência Artificial

IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Mas embora vastos conjuntos de dados de observação da Terra estejam no cerne da ciência do clima, apenas uma pequena fração deles é usada atualmente para "treinar" modelos climáticos

Por Cristina De Luca