s
Elaine Thompson, da Jamaica, quebra o recorde mundial dos 100 metros ao conquistar o ouro em Tóquio Crédito: COI - Michael Steele - Getty Images

INOVAÇÃO

Supercalçados, pistas elásticas… atletas ganham uma forcinha extra

O doping tecnológico, que preocupa o mundo desde Pequim, quando nadadores reduziram segundos preciosos com os maiôs da Speedo, ganha um novo capítulo em Tóquio, desta vez no atletismo

Por Cristina De Luca 07/08/2021

Apoio para a excelência ou doping tecnológico? O debate domina os Jogos Olímpicos desde o surgimento dos maiôs Speedo LZR, projetados especificamente para melhorar a velocidade dos nadadores. Michael Phelps, atleta que mais conquistou medalhas de ouro em uma única olimpíada, bateu oito recordes mundiais, todos vestindo um deles.

Alguns anos depois, todos os recordes mundiais de 5 km (estrada) até a maratona foram quebrados com o auxílio de tênis de corrida da Nike contendo placas de fibra de carbono. Em 2016 no Rio de Janeiro, todas as 6 medalhas durante a maratona foram conquistadas por atletas usando o mesmo calçado, levantando preocupações sobre vantagens não fisiológicas para os atletas patrocinados pela Nike.

Agora, em Tóquio, a tecnologia por trás dos tênis de sola grossa e revestidos de carbono que tanto polemizaram nas corridas de longa distância resolveu emprestar uma forcinha extra para as corridas de velocidade. A espetacular corrida do norueguês Karsten Warholm para quebrar seu próprio recorde mundial de 400 metros com barreiras – ganhando o ouro em apenas 45,94 segundos – foi o mais recente exemplo dos “super sapatos” que impulsionam os atletas.

Receba grátis nossa newsletter

A grandeza de um atleta geralmente é medida por seu desempenho nas Olimpíadas; no entanto, podemos chamar esses atletas de excelentes à luz das tecnologias atuais nos esportes?

Bom, dessa vez, o atraso da realização dos jogos olímpicos ajudou a equilibrar as disputas. Assim como a Federação Internacional de Natação (FINA) resolveu regulamentar o uso dos supermaiôs Fastskin anos atrás, a World Athletics, entidade reguladora do atletismo internacional, se adiantou e conseguiu proibir antes dos jogos, e por tempo indeterminado, o uso dos calçados com sola superior a 40mm, que inclui o sapatos originais Vaporfly 4%, da Nike, usados pelos fundistas. Também definiu regras que a Nike garante ter seguido a risca para a criação do ZoomX Vaporfly NEXT % 2, usados pelos atletas velocistas em Tóquio. Outros fabricantes também usaram os mesmos parâmetros.

Quando o programa de atletismo olímpico começou em Tóquio em 30 de julho, alguns atletas já calçavam tênis superleves que davam uma sensação de propulsão a cada passada. O norueguês entre eles. Warholm correu com um tênis Puma, que o ajudou a superar o atleta norte-americano calçando um Nike.

Reação de Karsten Warholm ao ver o tempo obtido em Tóquio

A pista

Mas, além dos tênis, uma outra tecnologia certamente contribuiu para a excelente performance de Warholm e outros velocistas, como o brasileiro Alison dos Santos, que ao conquistar o bronze, quebrou o recorde sul-americano na mesma prova de 400 metros com barreiras: a pista do Estado Olímpico de Tóquio.

Projetistas adicionaram grânulos de borracha à pista de 14 milímetros e fizeram sua última camada com um design hexagonal que retém pequenos bolsões de ar. A tecnologia proporciona absorção de choque e algum retorno de energia; ao mesmo tempo, um efeito trampolim, capaz de dar um ganho de 1 a 2% aos atletas, tornando-se a mais rápida da história. Também apresenta o que a empresa chama de “Tesselação não direcional” – uma textura padronizada que reduz a necessidade de os corredores usarem pontas e que também ajuda a melhorar a drenagem.

A campeã nos 400 com barreiras, Sydney McLaughin, disse que a pista “te dá energia de volta e te empurra e te projeta para frente”. “Foi muito legal… ultrapassar os limites do que é possível”, afirmou ela à BBC.

A jamaicana Elaine Thompson-Herah, que quebrou o recorde nos 100 metros e fez a sua segunda melhor marca da história nos 200 metros, também aprovou. Mas nem todos os atletas conseguiram se adaptar à Mondotrack WS, uma versão atualizada da pista que a Mondo fabricou para as Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro.

É bom ressaltar que as pistas sintéticas fizeram sua estreia olímpica nos jogos de 1968, no México, oferecendo mais proteção às articulações dos atletas e prometendo um efeito trampolim que levaria a tempos mais rápidos. Mas nenhuma pista conseguiu chegar tão perto da perfeição quanto essa da italiana Mondo para os japoneses. “É a pista de atletismo tecnologicamente mais avançada do mundo”, com o objetivo de “levar a velocidade humana a níveis nunca antes alcançados”, afirma a empresa. E os cinco recordes mundiais quebrados em Tóquio confirmam.

Será que o que vimos se tornará padrão para outras competições internacionais de atletismo?

Outros destaques tecnológicos

A tecnologia esportiva avançou tanto que hoje já seria possível criar um ‘código digital’ para conquistar uma medalha de ouro. Dados coletados por dispositivos vestíveis, repletos de sensores, estão ajudando não só a ajustar os treinamentos, como também a criar e produzir produtos capazes de minimizar o desgaste dos atletas e potencializar o desempenho.

A Anta Sports, que trabalha com o Comitê Olímpico Chinês para projetar roupas esportivas de competição há 16 anos, criou uniformes para os atletas olímpicos da Equipe da China que usam materiais de alta qualidade e tecnologias avançadas.

Por exemplo, os tênis de levantamento de peso olímpico de Anta são projetados para melhorar a mobilidade, aumentar a estabilidade geral e fornecer feedback ao mover pesos de mais de uma tonelada. Um salto elevado exclusivo feito de poliuretano termoplástico é projetado para ajudar os levantadores a manter a forma correta, enquanto suas solas rígidas e incompressíveis oferecem estabilidade durante movimentos como agachamentos.

As roupas dos levantadores de peso também são projetadas especificamente para esse esporte, incorporando tecnologias para fornecer suporte à cintura e prevenir tensões musculares.

Para a equipe de luta livre chinesa, os uniformes apresentam tecnologia de tecido anti-agarramento. Para as ginastas, as roupas são feitas sob medida para proteger o corpo dos atletas da resistência do ar e de lesões que podem ocorrer devido a movimentos como acrobacias aéreas de alta intensidade.

As equipes olímpicas usam biomecânica e análise de dados para quantificar e examinar a técnica de um atleta após uma intervenção do técnico ou ao retornar de uma lesão. Por exemplo, na natação, blocos de largada instrumentados e câmeras de vídeo de alta velocidade são usados ​​para medir as forças e movimentos de um nadador durante uma largada. Muitos desses dados foram usados pela Speedo, que, em Tóquio, apresentou dois novos supermaiôs Fastskin.

Como em todas as Olimpíadas, a tecnologia usada para os Jogos da era pandêmica também evoluiu. A tecnologia vestível, em particular, tem sido uma das ferramentas mais recentes no arsenal olímpico, de acordo com John Barden, professor de biomecânica da Universidade de Regina, no Canadá.

“A tecnologia vestível foi especialmente útil para monitorar os atletas quando os campos de treinamento foram fechados por causa da pandemia”, escreveu ele em um artigo publicado na The Conversation na semana passada. “Um dos benefícios óbvios da tecnologia vestível é sua capacidade de fornecer informações que não estavam disponíveis anteriormente. Por exemplo, resistores sensores de força colocados em sapatos, botas de esqui ou pedais de bicicleta podem fornecer um fluxo contínuo de dados para sessões inteiras de treinamento.”

O arqueiro coreano Kim Je-deok ganhou recentemente duas medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 em Tóquio, usando um arco aprimorado com grafeno. O arco foi uma criação da fabricante coreana de equipamentos esportivos Win & Win, depois de analisar muitos dados sobre o desempenho dos atletas. A marca de arcos WIAWIS, da empresa, também inclui arcos de alumínio, e os atletas supostamente escolheram entre arcos de alumínio e grafeno com base em suas preferências.

A Win & Win anteriormente fazia arcos usando nanotubos de carbono como seus produtos principais, mas os substituiu por grafeno. Os arcos de grafeno são 60% mais duráveis ​​e 20% mais absorventes de choque do que os nanotubos de carbono.

O grafeno também foi usado pela Win & Win para fabricar uma linha de bicicletas que o ciclista nacional coreano Lee Hye-jin escolheu para pedalar nos Jogos Olímpicos. O material minimiza o choque sentido pelos ciclistas durante a pedalada, permitindo que os atletas mantenham um controle estável. Seis outros atletas olímpicos de Tóquio, incluindo os da Dinamarca e da Suíça, também optaram por usar as bicicletas de grafeno da Win & Win.

Os engenheiros há muito vêm aprimorando os materiais que usam para fazer roupas esportivas para ajudar a reduzir o peso e o atrito. Desta vez, as empresas ainda estão trabalhando para criar o melhor equipamento possível e, com a ajuda dos avanços na impressão 3D e digitalização corporal, o equipamento está mais impressionante do que nunca.

As melhorias de design, teste e personalização que vêm com a impressão 3D e digitalização corporal ajudam a garantir que os materiais e o ajuste corretos sejam usados ​​para cada esporte e atleta. Em 2012, muitos nadadores usavam toucas “FatSkin” da Speedo que se moldavam à cabeça para ajudá-los a deslizar na água com mais facilidade. Para tornar o ajuste ainda melhor, a Speedo agora está fazendo varreduras 3D da cabeça dos nadadores para obter bonés personalizados para um ajuste ainda mais aerodinâmico.

A Nike foi uma das pioneiras na impressão em 3D de equipamentos esportivos e aprimorou seu jogo com minúsculas protuberâncias de silicone impressas em 3D que serão fixadas em seus trajes de corrida. Os acessórios de silicone, que foram testados em um túnel de vento, redirecionam o fluxo de ar ao redor do corredor para torná-los mais rápidos. Os acessórios também estarão disponíveis como uma fita que os corredores podem colar em seus braços e pernas. Quando um décimo de segundo é a diferença entre ouro e prata, essas pequenas melhorias podem ser fundamentais.

Tecnologia na transmissão de esportes aproxima fãs das competições

Inovação

Tecnologia na transmissão de esportes aproxima fãs das competições

Realidade aumentada, 5G e 3D são algumas da inovações tecnológicas que criam novas experiências para os torcedores nos jogos Olímpicos de 2020

Por Marina Hortélio
IA corre para conquistar o ouro olímpico em Tóquio

Inteligência Artificial

IA corre para conquistar o ouro olímpico em Tóquio

A tecnologia desempenhará um papel fundamental para os atletas e também na segurança e eficiência do evento

Por Cristina De Luca
3 tendências em sportstech: as inovações na indústria esportiva

Tendências

3 tendências em sportstech: as inovações na indústria esportiva

Setor vai movimentar US$ 31 bilhões em 2024 e impacta o mercado esportivo por meio de redução de custos e maior engajamento com os fãs

Por Redação The Shift