s
Escritório da Airbnb em San Francisco, na Califórnia Crédito: Reprodução/Facebook
ECONOMIA

Startups aquecem o mercado de ações

Em tempos de crise econômica global, é ainda mais importante ponderar se o anseio pela abertura de capital das empresas tech condiz com a estabilidade financeira do mercado

A pandemia da Covid-19 desacelerou o ritmo de ofertas públicas iniciais (IPOs) nos EUA, especialmente no setor de tecnologia. Empresas levantaram US$ 10 bilhões com novos papéis em bolsa de valores entre janeiro e agosto deste ano com grande participação de biotechs. No entanto, o segundo semestre será bem mais movimentado em Wall Street.

Diversas startups já se prepararam para abrir o capital até o fim de 2020. São os casos de Airbnb, Snowflake Computing, DoorDash e Instacart. Juntas, as empresas estão avaliadas em mais de US$ 60 bilhões. A última semana de agosto foi marcada por uma série de pedidos por IPO nos EUA diante do otimismo do mercado norte-americano e as altas valuations no setor de tecnologia. Na lista estão a Asana, a Palantir, a Amwell, e a Unity, entre outras.

Em tempos de crise econômica global, é ainda mais importante ponderar se o anseio pela abertura de capital das empresas tech condiz com a estabilidade financeira do mercado - para além das especulações de Wall Street - e com a capacidade das startups entregarem resultado. Os casos recentes da Uber e Lyft ligam o alerta neste sentido.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Quando o bootstrapping vale a pena

Startups

Quando o bootstrapping vale a pena

Crescer a empresa com capital próprio é arriscado, mas dá mais liberdade para os fundadores e mantém o Equity intacto.

Por Marina Hortélio
Startups lutam contra o desperdício de alimentos

Startups

Startups lutam contra o desperdício de alimentos

Apesar de uma grande fatia da população passar fome, o Brasil desperdiça anualmente 26 milhões de toneladas de alimentos produzidos no país. A inovação surge para resolver esse problema

Por Marina Hortélio
A Black Friday é a hora de colher os frutos das estratégias de IA

Inteligência Artificial

A Black Friday é a hora de colher os frutos das estratégias de IA

A inteligência artificial ajuda a oferecer uma melhor experiência para o consumidor por permitir que a marca conheça a fundo o cliente. Assim, as empresas se destacam da concorrência na Black Friday.

Por Marina Hortélio
Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Tendências

Tendência do consumo híbrido exige estratégia omnichannel

Pesquisa do PayPal aponta que as compras online vão continuar relevantes após a pandemia, por isso, as marcas precisam adotar uma estratégia multicanal

Por Marina Hortélio
Como reconstruir a lealdade dos funcionários na era da Grande Renúncia

Carreira

Como reconstruir a lealdade dos funcionários na era da Grande Renúnc...

Uma nova pesquisa revela como as pessoas se sentem em relação a seus empregos e o que esperam de seus empregadores

Por Ana Kreacic, Lucia Uribe, Simon Luong, Fórum Econômico Mundial
No will bank, a meta é mudar a relação entre pessoas e bancos

Entrevista

No will bank, a meta é mudar a relação entre pessoas e bancos

O banco digital quer que o mundo das finanças deixe de ser um bicho de sete cabeças ao resolver os problemas de quem tem conta e também dos desbancarizados

Por Marina Hortélio