s
ECONOMIA DIGITAL

Os riscos da crescente fusão entre e-commerce e redes sociais

Ferramenta do Instagram que permite comprar direto do Reels gera debate sobre privacidade e vulnerabilidade do consumidor

O limite que separa uma rede social de uma plataforma de e-commerce está cada vez mais tênue. O Instagram lançou, em dezembro do ano passado, uma ferramenta que permite comprar produtos direto do Reels, uma seção do aplicativo inspirada no TikTok. A rede chinesa, aliás, já conta com integração entre comércio e social, inclusive atraindo marcas como Louis Vuitton e Prada. 

Live shopping e social commerce são conceitos que estarão cada vez mais presentes no nosso cotidiano. É uma nova dinâmica que une influenciadores, marketeiros, consumidores e comerciantes em um mesmo espaço digital que não é originalmente voltado a vendas. Com menos barreiras na jornada de compra, gasta-se mais e mais nas redes sociais. É estimado que a indústria do social commerce cresça 39% ao ano e movimente US$ 600 bilhões até 2027. 

No entanto, esta nova dinâmica traz riscos para o consumidor. Nazanin Andalibi, pesquisadora da Universidade de Michigan, defende que, ao acumular dados sobre a vida pessoal e social de um indivíduo, as redes sociais têm um enorme a abusivo poder sobre a sua escolha de compra. 

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Na era do e-commerce, logística cresce como desafio para o setor

Economia Digital

Na era do e-commerce, logística cresce como desafio para o setor

Black Friday vai representar “prova de fogo” para gigantes do varejo eletrônico no Brasil e no mundo

Por João Ortega
O futuro da China após a retomada da pandemia, segundo Jeffrey Towson

Entrevista

O futuro da China após a retomada da pandemia, segundo Jeffrey Towson

Professor da Universidade de Pequim aponta que país deve ultrapassar US$ 1,5 trilhão em vendas no e-commerce em 2020

Por João Ortega
Como a Ikea planeja no longo prazo, mas executa agora

Liderança

Como a Ikea planeja no longo prazo, mas executa agora

Muitas empresas perseguem o objetivo de chegar a carbono neutro. A Ikea quer chegar a carbono positivo até 2030

Por Soraia Yoshida