s
O escritor Edward Tenner diz que precisamos encontrar equilíbrio para desfrutar dos benefícios da tecnologia Crédito: James Duncan Davidson / TED
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Obsessão por eficiência nos faz menos eficientes?

Talvez esse período de isolamento social seja um bom momento para refletir a respeito

Nossa obsessão com a eficiência está realmente nos tornando menos eficientes? Talvez esse período de isolamento social seja um bom momento para refletir a respeito. Um dia, tudo será mais fácil, mais rápido e melhor, nos disseram. É uma visão atraente, mas há uma desvantagem em toda essa eficiência, diz o estudioso e escritor Edward Tenner, autor de "The Efficiency Paradox: What Big Data Can’t Do". na sua opinião precisamos encontrar equilíbrio para desfrutar dos benefícios da tecnologia ou perdemos os benefícios da natureza humana.

Tenner define eficiência como "produzir bens, fornecer serviços ou informações ou processar transações com o mínimo de desperdício". E sustenta a tese de que nosso atual foco tecnocrático da elite na eficiência tem nos levado a uma série de "esforços desperdiçados e oportunidades perdidas".

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

IA Responsável: um caminho a percorrer

Inteligência Artificial

IA Responsável: um caminho a percorrer

Novas pesquisas mostram que, embora os líderes concordem que a IA responsável deve ser uma preocupação da alta administração, poucos priorizaram essas iniciativas. Por onde começar?

Nem sempre a IA funciona. Por que?

Inteligência Artificial

Nem sempre a IA funciona. Por que?

É possível resumir o que a inteligência de máquina faz muito bem com três Ps: padrões, probabilidades e performance. O problema é a falta de compreensão das características básicas do problema de negócios.

Qual o futuro dos chatbots de IA?

Inteligência Artificial

Qual o futuro dos chatbots de IA?

E por que aqueles alimentados por grandes modelos de linguagem, apesar de mais capazes, ainda levarão algum tempo para chegar aos aplicativos comerciais?

CyberOne, o robô afetivo

Inteligência Artificial

CyberOne, o robô afetivo

Novo humanoide da Xiaomi reconhece mais emoções humanas. De acordo com a empresa, o CyberOne é capaz de saber, por exemplo, se uma pessoa está triste ou feliz e até consolá-la. Com isso, a Computação Afetiva atiçou a curiosidade...

Por Equipe THE SHIFT
Lideranças de dados e análises devem explorar mais a Causal AI

Inteligência Artificial

Lideranças de dados e análises devem explorar mais a Causal AI

O que significa ir além de previsões baseadas em correlação e investir nas prescrições baseadas em causalidade para melhorar a tomada de decisão

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Inteligência Artificial

Open Finance vai mais longe com dados enriquecidos

Ao economizarem tempo no consumo de insights, em vez de dados brutos, as instituições financeiras construirão melhores serviços, explica Albert Morales, diretor-geral da Belvo