s
As Govtechs são startups voltadas para o serviço público Crédito: José Cruz/Agência Brasil
STARTUPS

O Brasil é um terreno fértil para Govtechs

Com atuação voltada para o serviço público, as Govtechs têm grande potencial de causar impacto na vida do brasileiro

Todos os brasileiros são impactados pelas ações do Governo, nas esferas municipal, estadual e federal. Se um recurso da saúde é gasto com equipamentos superfaturados, a população é quem sente ao acessar o SUS. Da mesma forma que a má gestão é percebida, a boa também reflete no dia a dia do país. Aí entram as GovTechs, as startups voltadas para o serviço público. A atuação permeia múltiplos setores, desde a educação até as finanças, mas o objetivo é comum: aplicar tecnologia para enfrentar os desafios públicos do Brasil. É um segmento que é puro impacto e tem bastante potencial no país.

“Esse mercado tem muito potencial de crescimento e está começando a acontecer agora. Agora que o governo se ligou que digitalizar faz com que ele entregue muito mais serviço público, isso só tende a se potencializar. Govtech está se tornando mais atrativo nos próximos anos”, analisa o CEO da Govtech Colab, Gustavo Maia.

Com um território continental, uma grande população e grandes desigualdades, o Brasil é um terreno fértil para as Govtechs justamente porque é dever dos governos reduzir as mazelas sociais. Dores relacionadas ao setor público não faltam, então, há a oportunidade de criação de diversas soluções. Nesse cenário, acredita-se que o país pode assumir um protagonismo na área.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Startups

Scale-ups para ficar de olho em 2024

Scale-ups são startups que chegaram à vida adulta e crescem, no mínimo 20% ao ano, sua receita recorrente. Sua habilidade de escalar os negócios merece ser estudada pelas empresas tradicionais, já que apenas uma em cada 200 startups ch...

2024, o ano dos unicorpses

Startups

2024, o ano dos unicorpses

Dez anos depois que o termo Unicórnio foi estabelecido o cenário atual está cada vez mais difícil para as startups conseguirem prosperar no mercado gerando vários “unicorpses”

Para onde correm os unicórnios?

Startups

Para onde correm os unicórnios?

Aileen Lee, sócia da Cowboy Ventures, dez anos depois de seu artigo "Welcome to the unicorn club" escreve uma nova análise sobre o futuro dessas empresas

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Gestão

É hora de ouvir mais e agir rápido para não perder pessoas-chave

Chegou a época do ano de fazer balanço e, de segurar aquelas pessoas que fazem a diferença na empresa. Já ouviu falar de "stay interviews"?

O que torna o feedback tão difícil?

Liderança

O que torna o feedback tão difícil?

A dor de descobrir lacunas profundas provoca fortes emoções e aciona gatilhos indesejados. Às vezes, a hesitação em aceitar essas lacunas vem das reservas que temos com a pessoa que as apontou

O relatório 'The CMO Survey' mapeia a transformação digital no marketing

Economia Digital

O relatório 'The CMO Survey' mapeia a transformação digital no mark...

E, surpresa... ela progride lentamente. Poucas empresas têm uma jornada digital de marketing institucionalizada. Mais da metade ainda a consideram em fase emergente