s
Foto: Jonathan Borba no Unsplash
E-COMMERCE

O incrível avanço dos marketplaces online

Eles atraíram US$ 139 bilhões em investimento de risco em 2021 e 70% dos consumidores online dizem que eles são a forma mais conveniente de comprar

Por Silvia Bassi 03/02/2022

Em um mundo movido por comodidade, gratificação instantânea e velocidade, a ideia de marketplaces online se parece muito com a expressão "shooting fish in a barrel" (atirar em peixes em um barril): quando você junta várias ofertas em um mesmo lugar, fica fácil pegar aquela que mais lhe interessa. Seja por meio de um app, seja por meio de um site de internet.

Por conta desse efeito coletivo, 2/3 dos consumidores de 9 países (Austrália, Brasil, França, Alemanha, Itália, Singapura, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos) ouvidos na pesquisa 2022 State of Online Marketplace Adoption disseram preferir sites com marketplaces online e 70% disseram que os marketplaces são a forma mais conveniente de comprar alguma coisa.

A pandemia obviamente acelerou as coisas, e conveniência é a palavra-chave. A pesquisa, conduzida pela Mirakl, plataforma de SasS para marketplaces, mostra que as pessoas moveram suas preferências de compra para essas plataformas entre 2019 e 2021: saindo de 42% na média geral em 2019 para 57% em 2020 e 2021 (crescimento de 35%). O Brasil foi o país que teve o maior salto na adesão no período (75% de crescimento).

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Entrevista

"Compre agora, pague depois", em ritmo de América Latina

O BNPL (Buy Now, Pay Later), crédito online parcelado, faz sucesso nos EUA impulsionado pela geração Z. Na América Latina, a fintech colombiana Addi foca no lado inclusivo da tecnologia, e entra no Brasil usando o PIX como forma de cheg...

Entrevista

"O máximo da confiança é o cliente deixar a gente escolher o tomate...

Na Cornershop by Uber, diz Cristina Alvarenga, head da companhia no Brasil, a ideia é que a tecnologia precisa funcionar para viabilizar a experiência humana que existe em cada compra.

Por Silvia Bassi
A jornada do Magazine Luiza para digitalizar o varejo nacional

Economia Digital

A jornada do Magazine Luiza para digitalizar o varejo nacional

Entre abril de 2017 e dezembro de 2020 o Magazine Luiza comprou 15 empresas, 11 só este ano. Pagou R$ 290 milhões pela Hub Fintech, para entrar no jogo dos serviços financeiros

Por Silvia Bassi