s
Crédito: Shutterstock

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Devemos criar um ‘Juramento de Hipócrates’ para a IA

A ideia da NeuroRights Initiative é a ter um Juramento Tecnocrático que incorpore os sete princípios amplamente utilizados nas diretrizes éticas da Inteligência Artificial

Por Cristina De Luca 16/06/2021

O Facebook e a IBM colaboram em um projeto que pede que empresários, pesquisadores, cientistas da computação e outros profissionais que trabalham com neurotecnologia e inteligência artificial se comprometam com princípios éticos, da mesma forma que os médicos devem se comprometer e seguir o Juramento Hipocrático.

A Neurorights Initiative, da Columbia University,  se propõe a proteger os Direitos Humanos e promover a inovação ética nos campos da neurotecnologia e da IA. Para isso propõe  a  criação do  "Juramento Tecnocrático", incluindo os sete princípios amplamente utilizados nas diretrizes éticas de IA.

  1. Não maleficência, ou seja, nenhuma intenção de causar danos com a tecnologia aplicada.
  2. Beneficência, intenção de contribuir para o bem comum com o trabalho realizado.
  3. Autonomia, que estabelece que nada pode ser feito sem o consentimento de quem está envolvido em qualquer situação que envolva IA e neurotecnologia.
  4. Justiça. Busca garantir que a aplicação da neurotecnologia gere resultados justos e imparciais, evitando, por exemplo, vieses algorítmicos.
  5. Dignidade. Em outras palavras, todas as pessoas devem ser tratadas com respeito e garantir sua integridade.
  6. Privacidade, que defende a eliminação de todas as informações confidenciais e identificáveis dos dados coletados pela tecnologia.
  7. Transparência, cujo objetivo é garantir que os algoritmos usados sejam tão transparentes e corrigíveis quanto possível.

Inicialmente, a ideia é que o "Juramento Tecnocrático" comece como algo voluntário, de modo a conduzir a práticas responsáveis ​​nas áreas onde é implementado.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Inteligência Artificial

IA começa a ser aplicada na previsão de eventos climáticos extremos

Mas embora vastos conjuntos de dados de observação da Terra estejam no cerne da ciência do clima, apenas uma pequena fração deles é usada atualmente para "treinar" modelos climáticos

Por Cristina De Luca
Tendências para dados e IA nos negócios

Inteligência Artificial

Tendências para dados e IA nos negócios

Ecossistemas de dados, joint ventures de IA, Small e Wide Data estão entre entre os maiores impulsionadores de inovação nos próximos meses, de acordo com Gartner e Capgemini

Por Cristina De Luca
Seis maneiras pelas quais a IA cria valor para os negócios

Inteligência Artificial

Seis maneiras pelas quais a IA cria valor para os negócios

Tecnologia vem rapidamente se tornando uma necessidade competitiva, diz pesquisa da Deloitte. A chave do sucesso é começar pequeno, mas pensar grande

Por Cristina De Luca
Máquinas também precisam desaprender

Inteligência Artificial

Máquinas também precisam desaprender

Por conta das legislações de proteção de dados pessoias, pesquisadores estão testando se podem remover dados confidenciais dos sistemas de IA sem a necessidade de treiná-los de novo

Por Cristina De Luca
O que são os tais

Inteligência Artificial

O que são os tais "foundation models", da Universidade de Stanford?

E por que eles correm o risco de exacerbar os desafios éticos da IA, em vez de controlá-los?

Por Cristina De Luca
Momento pede a IA aplicada à jornada de consumo

Inteligência Artificial

Momento pede a IA aplicada à jornada de consumo

Na Telefònica/Vivo a Inteligência Artificial vem sendo uma grande aliada para a superação do desafio de tornar a experiência do cliente um dos principais diferenciais competitivos

Por Cristina De Luca