s
CyberOne, novo humanoide da Xiaomi pode reconhecer mais emoções humanas
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

CyberOne, o robô afetivo

Novo humanoide da Xiaomi reconhece mais emoções humanas. De acordo com a empresa, o CyberOne é capaz de saber, por exemplo, se uma pessoa está triste ou feliz e até consolá-la. Com isso, a Computação Afetiva atiçou a curiosidade da comunidade de IA. 

Por Equipe THE SHIFT 17/08/2022

https://www.youtube.com/watch?v=yBmatGQ0giY[/embed]

Nos últimos dias, a chinesa Xiaomi chamou atenção do mundo ao apresentar o humanoide CyberOne. Equipado com o mecanismo de identificação de emoção vocal MiAI e o módulo de visão de profundidade Mi-Sense, o robô consegue reconhecer o ambiente ao redor, indivíduos, gestos, expressões e até as emoções de seus interlocutores. De acordo com a Xiaomi, o CyberOne é capaz de saber, por exemplo, se uma pessoa está triste ou feliz e até consolá-la.

A aposta na Computação Afetiva atiçou a curiosidade da comunidade de IA. Quais são os limites científicos e técnicos? Como garantir que os critérios culturais e locais sejam considerados desde a fase de projeto para permitir o acesso equitativo à tecnologia? Que valores e normas devem orientar o seu desenvolvimento e uso?

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Como detectar conteúdo gerado pela IA

Inteligência Artificial

Como detectar conteúdo gerado pela IA

Para todo veneno há um antídoto. A IA Generativa surgiu e maravilhou a todos com sua capacidade infinita de criação. Porém, em seguida, acordamos para sua face negra. Agora, empresas lançam soluções para detectar plágios no conteú...

IA e a construção da estratégia

Inteligência Artificial

IA e a construção da estratégia

A IA estratégica é uma ferramenta que pode simplificar a vida dos executivos. Um meio de acelerar o impacto, lidar com disrupções e desbloquear novas oportunidades de mercado. Mas ela deve servir ao negócio e não o contrário.

IA Descentralizada e para as massas

Inteligência Artificial

IA Descentralizada e para as massas

No ano passado, a “descentralização” da IA permitiu que um conjunto mais amplo de empresas e indivíduos interagisse com modelos de aprendizado profundo, antes restritos a instituições com grandes conjuntos de dados. A DeAI estará...

Em 2023, a IA ultrapassará os limites

Inteligência Artificial

Em 2023, a IA ultrapassará os limites

A partir de 2023, o relógio acelerará. Ferramentas de IA baseadas em linguagem e imagem chegarão aos produtos muito rapidamente. Haverá avanços em direção à Inteligência Artificial Geral (AGI) e certamente veremos uma outra onda de...

A nomeação de um comitê de risco ético de IA é para ontem

Inteligência Artificial

A nomeação de um comitê de risco ético de IA é para ontem

Abordagens padrão ignoram dezenas de possíveis problemas éticos. Para melhor mitigar os riscos, as empresas precisam de recomendações de um grupo multidisciplinar, com autoridade para emiti-las

A IA mais inteligente é burra sem pessoas

Inteligência Artificial

A IA mais inteligente é burra sem pessoas

A IA está em constante mudança e prestes a crescer em poder e influência. Este foi o ano da IA Generativa e com ela aprendemos que apps como o ChatGPT sabem como responder, mas não a resposta em si. Entretanto, uma coisa é certa: a Int...