s
STARTUPS

Após veto, investimento-anjo perde incentivo previsto no Marco Legal

“Por que tecnologia e inovação não são prioridades no país?”, questiona Rodrigo Afonso, representante do ecossistema de startups

Por João Ortega 07/06/2021

O Marco Legal de Startups foi sancionado no início deste mês de junho pela Presidência da República. O documento, elaborado após anos de discussões entre representantes do ecossistema e legisladores, apresenta uma série de novidades jurídicas que surgem da definição do que é uma startup, como mecanismos de investimentos e de contratações de produtos ou serviços pelo poder público.

Embora o Marco Legal proporcione às startups alguns benefícios importantes para o crescimento da inovação no Brasil, a avaliação de certos grupos é de que o documento foi podado nas discussões com o legislativo e avançou bem menos do que poderia em diversas questões. E existe, principalmente, a opinião de que o veto ao Artigo 7º pelo poder executivo é uma trava ao investimento no ecossistema.

O Artigo 7º trata da tributação ao investimento-anjo. Este tipo de aporte é tributado de forma padronizada, como um investimento em renda fixa, por exemplo. Nas primeiras conversas do Marco Legal, a ideia era equiparar o investimento-anjo ao crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA), que são isentos de impostos. O debate sobre o tema evoluiu para um formato mais parecido com o do mercado de ações, em que o investidor compensa suas perdas com seus ganhos futuros, sendo tributado apenas por esta diferença, que é o ganho real sobre os ativos.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Economia

Novas demissões são um sinal negativo para o mercado

Em cinco meses de 2022, o número de demissões já se iguala ao total de 2021. Sinais de falta de liquidez atingem principalmente as scale-ups

Apoio à inovação: a virada digital da Arezzo&Co

Inovação

Apoio à inovação: a virada digital da Arezzo&Co

Fechar parcerias com as startups é uma parte fundamental do processo de transformação digital do grupo

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Inovação

A startup brasileira na corrida pelo peixe cultivado

Com o foco em 4 espécies, a Sustineri Piscis é a primeira foodtech brasileira a produzir pescado cultivado em laboratório

Pill digitaliza a farmácia para gerar mais valor para o paciente

Inovação

Pill digitaliza a farmácia para gerar mais valor para o paciente

A digitalização das farmácias pode escalar um modelo de atendimento farmacêutico mais próximo e personalizado.

O bom momento das startups está chegando ao fim?

Startups

O bom momento das startups está chegando ao fim?

Demissões e a desaceleração dos investimentos indicam que as startups devem enfrentar mais desafios para fechar a próxima rodada.

Fertilizantes: inovação para reduzir a dependência externa

Inovação

Fertilizantes: inovação para reduzir a dependência externa

Apoiadas na inovação, as startups nacionais têm potencial para brilhar e reduzir a dependência de NPK