s
STARTUPS

Após veto, investimento-anjo perde incentivo previsto no Marco Legal

“Por que tecnologia e inovação não são prioridades no país?”, questiona Rodrigo Afonso, representante do ecossistema de startups

Por João Ortega 07/06/2021

O Marco Legal de Startups foi sancionado no início deste mês de junho pela Presidência da República. O documento, elaborado após anos de discussões entre representantes do ecossistema e legisladores, apresenta uma série de novidades jurídicas que surgem da definição do que é uma startup, como mecanismos de investimentos e de contratações de produtos ou serviços pelo poder público.

Embora o Marco Legal proporcione às startups alguns benefícios importantes para o crescimento da inovação no Brasil, a avaliação de certos grupos é de que o documento foi podado nas discussões com o legislativo e avançou bem menos do que poderia em diversas questões. E existe, principalmente, a opinião de que o veto ao Artigo 7º pelo poder executivo é uma trava ao investimento no ecossistema.

O Artigo 7º trata da tributação ao investimento-anjo. Este tipo de aporte é tributado de forma padronizada, como um investimento em renda fixa, por exemplo. Nas primeiras conversas do Marco Legal, a ideia era equiparar o investimento-anjo ao crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA), que são isentos de impostos. O debate sobre o tema evoluiu para um formato mais parecido com o do mercado de ações, em que o investidor compensa suas perdas com seus ganhos futuros, sendo tributado apenas por esta diferença, que é o ganho real sobre os ativos.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Cogumelado: funghi-based como mais uma alternativa para as carnes

Startups

Cogumelado: funghi-based como mais uma alternativa para as carnes

Com produtos enlatados, hambúrguer e linguiça de cogumelo, a foodtech Cogumelado quer trazer uma boa experiência para quem busca comer menos carne.

Alinhadas com o ESG, startups de impacto querem solucionar problemas socioambientais

Startups

Alinhadas com o ESG, startups de impacto querem solucionar problemas s...

O ecossistema brasileiro de startups de impacto está ganhando forma. As soluções podem ajudar empresas a atingirem as metas ESG e governos a lidarem com questões socioambientais.

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Fintechs

Startups impulsionam geração de melhores serviços de Open Finance

Os dados são centrais no Open Finance, mas nem sempre os bancos conseguem gerar valor a partir das informações. Startups ajudam a criar melhores produtos de finanças abertas com a conversão de dados dos usuários em insights.

Brasil pode ser um polo de deep techs

Inovação

Brasil pode ser um polo de deep techs

O Brasil tem potencial de ser destaque em alguns temas, como biodiversidade e saúde. É essencial aproximar a ciência do mercado e sistematizar uma estratégia para fomentar a formação de um ecossistema nacional de soluções.

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

Entrevista

Visibilidade deve ser uma prioridade na logística

A visibilidade de ponta a ponta das cadeias de suprimento aumenta a resiliência das operações logísticas, como explica Bart De Muynck, Chief Industry Officer da project44, em entrevista à THE SHIFT. Entretanto, o setor ainda é resiste...

Fazendas verticais: startups apostam em uma nova agricultura

Inovação

Fazendas verticais: startups apostam em uma nova agricultura

Com a aplicação de IoT, automação e soluções de software, as startups estão revolucionando a agricultura nacional ao formarem fazendas verticais indoor. Essas agtechs podem ser a solução para o abastecimento das cidades e a seguran...