s
Crédito: Stefan Cosma/Unsplash

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Vale dar um pouco de consciência à IA?

Organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial

Por Redação The Shift 23/09/2020

Nas últimas semanas, especialistas de todo o mundo se debruçaram sobre um tema espinhoso: a possibilidade de as máquinas adquirirem autoconsciência quando se tornarem suficientemente complexas. Isoladas, ou operando em rede, elas poderiam adquirir alguma autoconsciência, manifestada em contextos específicos, como quando somos confrontados com informações que nos forçam a reavaliar nosso ambiente e, em seguida, tomar uma decisão executiva sobre o que fazer a seguir, como já fazem alguns robôs?

Pesquisadores de IA, como Yoshua Bengio, diretor da Mila, estão cada dia mais influenciados pela neurociência e determinados a investigar se as redes neurais podem e devem atingir os mesmos níveis elevados de cognição que ocorrem no cérebro humano. A esperança é a de que um nível de percepção análogo à consciência em humanos possa tornar as IAs futuras muito mais inteligentes.

Mas dar às máquinas o poder de pensar assim também acarreta riscos - e incertezas éticas. Por isso, organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial. Que, quase sempre, passa pela ideia de evitar vieses e desenvolver uma IA mais justa, explicável e responsável.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Quem deve ser o responsável pela governança da Inteligência Artificial?

Inteligência Artificial

Quem deve ser o responsável pela governança da Inteligência Artific...

Na opinião da indústria, a tarefa é do setor privado. Mas se ele não der conta do recado, então o melhor é que a responsabilidade seja igualmente dividida entre as empresas e os reguladores

Por Redação The Shift
Inteligência Artificial: principais tendências empresariais para 2021

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial: principais tendências empresariais para 202...

As empresa estão aumentando os orçamentos de aprendizado de máquina, apesar de ainda não terem conseguido traduzir os investimentos crescentes em eficiência e escala

Por Redação The Shift
Redes neurais precisam dormir para evitar estresse

Inteligência Artificial

Redes neurais precisam dormir para evitar estresse

Redes neurais que imitam o cérebro biológico ficam instáveis após longos períodos de trabalho; ondas lentas ajudam o sistema a se estabilizar

Por Redação The Shift
DALL-E e CLIP: uma palavra pode gerar mil imagens

Inteligência Artificial

DALL-E e CLIP: uma palavra pode gerar mil imagens

Modelos de processamento da OpenAI são capazes de criar imagens a partir de textos e classificar imagens de um jeito que nunca se viu

Por Redação The Shift
Chatbot da Microsoft vai replicar pessoas reais (vivas ou mortas)

Inteligência Artificial

Chatbot da Microsoft vai replicar pessoas reais (vivas ou mortas)

Patente da empresa norte-americana revela plano para desenvolver sistemas de IA que imitem indivíduos específicos; uso final não foi especificado

Por Redação The Shift
É ético testar algoritmos em humanos?

Inteligência Artificial

É ético testar algoritmos em humanos?

Dra Clarissa Véliz, pesquisadora de ética em IA da Universidade de Oxford, defende que indústria adote padrões como os da medicina

Por Redação The Shift