s
Crédito: Stefan Cosma/Unsplash

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Vale dar um pouco de consciência à IA?

Organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial

Por Redação The Shift 23/09/2020

Nas últimas semanas, especialistas de todo o mundo se debruçaram sobre um tema espinhoso: a possibilidade de as máquinas adquirirem autoconsciência quando se tornarem suficientemente complexas. Isoladas, ou operando em rede, elas poderiam adquirir alguma autoconsciência, manifestada em contextos específicos, como quando somos confrontados com informações que nos forçam a reavaliar nosso ambiente e, em seguida, tomar uma decisão executiva sobre o que fazer a seguir, como já fazem alguns robôs?

Pesquisadores de IA, como Yoshua Bengio, diretor da Mila, estão cada dia mais influenciados pela neurociência e determinados a investigar se as redes neurais podem e devem atingir os mesmos níveis elevados de cognição que ocorrem no cérebro humano. A esperança é a de que um nível de percepção análogo à consciência em humanos possa tornar as IAs futuras muito mais inteligentes.

Mas dar às máquinas o poder de pensar assim também acarreta riscos - e incertezas éticas. Por isso, organizações e corporações internacionais estão correndo para desenvolver diretrizes globais para o uso ético da inteligência artificial. Que, quase sempre, passa pela ideia de evitar vieses e desenvolver uma IA mais justa, explicável e responsável.

Conteúdo exclusivo para membros da The Shift

Aproveite a promoção e assine

Morosidade em torno da IA responsável pode colocar empresas em risco

Inteligência Artificial

Morosidade em torno da IA responsável pode colocar empresas em risco

A maioria dos executivos não consegue explicar como seus modelos tomam decisões, revela pesquisa. Apenas 20% monitoram ativamente questões de justiça e ética

Por Cristina De Luca
A Healthcare AI precisa cair na real

Inteligência Artificial

A Healthcare AI precisa cair na real

A Inteligência Artificial tem o poder de mudar o setor de saúde para melhor. Mas desbloquear todo o potencial da tecnologia requer que sejamos mais realistas sobre suas limitações

Por Cristina De Luca
“Precisamos entender e controlar os algoritmos”

Inteligência Artificial

“Precisamos entender e controlar os algoritmos”

A cineasta Shalini Kantayya fala sobre o que aprendeu com o documentário “Coded Bias”, que explora os efeitos do viés algorítmico

Por Redação The Shift
O novo escritório estará imerso em dados

Inteligência Artificial

O novo escritório estará imerso em dados

Através de aplicações dedicadas e plataformas colaborativas, as empresas estão monitorando o entra-e-sai de ambientes de trabalho, controlando fluxos em tempo real e planejando o futuro

Por Cristina De Luca
Cientista de dados: quem são e o que fazem no Brasil

Inteligência Artificial

Cientista de dados: quem são e o que fazem no Brasil

Estudo acadêmico traça o perfil de profissionais de Ciência de Dados no país, e ressalta a importância da multidisciplinaridade

Por Cristina De Luca
Chegou a hora de dar mais humanidade para a Inteligência Artificial

Inteligência Artificial

Chegou a hora de dar mais humanidade para a Inteligência Artificial

O que está em jogo? Tornar a tecnologia melhor para os negócios e para os humanos, apostando no trabalho de super equipes e no controle das ameaças decorrentes do viés algorítmico

Por Redação The Shift