s
SUSTENTABILIDADE

Nem todo verde é green

Autoridades de vários países aumentam o cerco contra o greenwashing. O Brasil segue sem um arcabouço regulatório satisfatório que mapeie todo o ciclo do processo, contando apenas com medidas isoladas.

Por Rosane Serro 22/08/2022

O que há em comum entre o cantor Peter Gabriel, o SEC – a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária – Conar brasileiro? Todos são caçadores de greenwashers, criminosos dessa modalidade de fraude e maquiagem de dados, agora na versão “verde”; ou seja, envolvendo o impacto das ações corporativas perante ao meio ambiente, à sociedade e aos seus stakeholders. À medida em que corporações antes respeitadas como o Deutsche Bank e o banco americano Goldman Sachs passaram ao banco dos réus (ao nomearem “verdes” fundos que não seriam assim tão “coloridos”), os países aceleraram a elaboração de medidas legais para conter este tipo de crime.

A tendência ao delito corporativo, por sinal, está em alta. A Pesquisa Global sobre Fraudes e Crimes Econômicos 2022 da PwC, que envolveu 1.296 executivos em 53 países e regiões, mostra que a ameaça dos fraudadores externos está crescendo. Quase 70% das organizações que informaram terem sofrido fraudes relataram que o incidente mais grave teve como base um ataque externo ou um conluio entre agentes externos e internos. Mais alarmante ainda foi a pesquisa, em nível global, produzida pela Harris Poll para o Google Cloud em abril deste ano, na qual 58% dos 1.500 CEOs e líderes C-level de empresas com mais de 500 funcionários afirmaram que suas empresas eram culpadas de greenwashing. Outros 66% questionaram se os esforços de sustentabilidade de sua empresa eram genuínos ou não.

Novo arcabouço legal

A prática mais comum do greenwashing é, no caso das empresas, mostrarem-se mais responsáveis e compromissadas do que realmente são. Ou, no caso dos fundos de investimento, invocarem-se “verdes” e ESG quando jamais se preocuparam com uma árvore e muito menos em financiar empresas de impacto socioambiental. Mas, afinal, por que este crime se tornou corrente? Pelo simples fato que, hoje, empresas que não possuam políticas ESG correm o risco de terem suas ações desvalorizadas e perderem investidores.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O trunfo das energias renováveis

Sustentabilidade

O trunfo das energias renováveis

Dois relatórios sobre energias renováveis no mundo e na América Latina ajudam a entender como os países devem montar seus novos planos de descarbonização depois da COP28.

Doze tecnologias climáticas indispensáveis

Sustentabilidade

Doze tecnologias climáticas indispensáveis

Em ritmo de COP28, resumimos um novo relatório da McKinsey, a ser lançado em 2024, sobre as tecnologias mandatórias para chegarmos às metas net-zero e à redução do aquecimento global.

Muito discurso, pouca ação

Sustentabilidade

Muito discurso, pouca ação

Pratique o que você fala. Quando se trata de sustentabilidade e meio ambiente, empresas e governos estão prometendo mais do que fazendo, e o resultado todos estamos sentindo na pele e no solo

Sustentabilidade

"Failure is not an option"

O alerta vem da Cúpula de Líderes do Pacto Global da ONU. Com 85% dos ODS com cronograma comprometido, recuperar o atraso até 2030 só será possível com muita cooperação e tecnologia

Por Rodolfo Fücher *
Framework brasileiro promete impulsionar mercado global de crédito de carbono

Sustentabilidade

Framework brasileiro promete impulsionar mercado global de crédito de...

Metodologia elaborada pela Reservas Votorantim e ECCON, com base científica robusta, foi lançada oficialmente esta semana, durante a Climate Week Nova York

Por Danuza Mattiazzi
Greenwashing e Greenhushing comprometem o valor da marca

Sustentabilidade

Greenwashing e Greenhushing comprometem o valor da marca

Dão prejuízo financeiro. Na ponta do lápis, a Tesla, por exemplo, pode perder US$ 4,1 bilhões se não corrigir a diferença entre percepção e realidade