s
SUSTENTABILIDADE

Nem todo verde é green

Autoridades de vários países aumentam o cerco contra o greenwashing. O Brasil segue sem um arcabouço regulatório satisfatório que mapeie todo o ciclo do processo, contando apenas com medidas isoladas.

Por Rosane Serro 22/08/2022

O que há em comum entre o cantor Peter Gabriel, o SEC – a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária – Conar brasileiro? Todos são caçadores de greenwashers, criminosos dessa modalidade de fraude e maquiagem de dados, agora na versão “verde”; ou seja, envolvendo o impacto das ações corporativas perante ao meio ambiente, à sociedade e aos seus stakeholders. À medida em que corporações antes respeitadas como o Deutsche Bank e o banco americano Goldman Sachs passaram ao banco dos réus (ao nomearem “verdes” fundos que não seriam assim tão “coloridos”), os países aceleraram a elaboração de medidas legais para conter este tipo de crime.

A tendência ao delito corporativo, por sinal, está em alta. A Pesquisa Global sobre Fraudes e Crimes Econômicos 2022 da PwC, que envolveu 1.296 executivos em 53 países e regiões, mostra que a ameaça dos fraudadores externos está crescendo. Quase 70% das organizações que informaram terem sofrido fraudes relataram que o incidente mais grave teve como base um ataque externo ou um conluio entre agentes externos e internos. Mais alarmante ainda foi a pesquisa, em nível global, produzida pela Harris Poll para o Google Cloud em abril deste ano, na qual 58% dos 1.500 CEOs e líderes C-level de empresas com mais de 500 funcionários afirmaram que suas empresas eram culpadas de greenwashing. Outros 66% questionaram se os esforços de sustentabilidade de sua empresa eram genuínos ou não.

Novo arcabouço legal

A prática mais comum do greenwashing é, no caso das empresas, mostrarem-se mais responsáveis e compromissadas do que realmente são. Ou, no caso dos fundos de investimento, invocarem-se “verdes” e ESG quando jamais se preocuparam com uma árvore e muito menos em financiar empresas de impacto socioambiental. Mas, afinal, por que este crime se tornou corrente? Pelo simples fato que, hoje, empresas que não possuam políticas ESG correm o risco de terem suas ações desvalorizadas e perderem investidores.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Regeneração Sustentável pode ser solução para crise climática

Sustentabilidade

Regeneração Sustentável pode ser solução para crise climática

Mesmo com as mudanças vistas na agenda ESG, ainda não é possível reverter a situação climática, aponta estudo.

Inovação em Camadas: Construindo casas por impressão 3D

Sustentabilidade

Inovação em Camadas: Construindo casas por impressão 3D

O mercado de construção modular promete erguer casas em menos de um dia.

Climate Risk startups em alta

Sustentabilidade

Climate Risk startups em alta

No momento de crise climática, a indústria de Climate fintechs estão em alta. Elas utilizam da ciência, IA, analytics para mensurar ou mitigar os efeitos da crise climática nos negócios.

A urgência da resiliência climática

Sustentabilidade

A urgência da resiliência climática

O que ocorre no Rio Grande do Sul é infelizmente um exemplo triste de que chegamos ao ponto de não retorno sobre crise climática global. Agora o desafio é buscar a resiliência climática: antecipar, preparar, adaptar, mitigar e resisti...

Faltam competências verdes

Sustentabilidade

Faltam competências verdes

Na corrida em direção à transição energética global, surgem novos empregos relacionados às energias renováveis. No entanto, um problema aparece: a falta de mão de obra qualificada.

O trunfo das energias renováveis

Sustentabilidade

O trunfo das energias renováveis

Dois relatórios sobre energias renováveis no mundo e na América Latina ajudam a entender como os países devem montar seus novos planos de descarbonização depois da COP28.