s
SUSTENTABILIDADE

Nem todo verde é green

Autoridades de vários países aumentam o cerco contra o greenwashing. O Brasil segue sem um arcabouço regulatório satisfatório que mapeie todo o ciclo do processo, contando apenas com medidas isoladas.

Por Rosane Serro 22/08/2022

O que há em comum entre o cantor Peter Gabriel, o SEC – a Comissão de Valores Mobiliários norte-americana e o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária – Conar brasileiro? Todos são caçadores de greenwashers, criminosos dessa modalidade de fraude e maquiagem de dados, agora na versão “verde”; ou seja, envolvendo o impacto das ações corporativas perante ao meio ambiente, à sociedade e aos seus stakeholders. À medida em que corporações antes respeitadas como o Deutsche Bank e o banco americano Goldman Sachs passaram ao banco dos réus (ao nomearem “verdes” fundos que não seriam assim tão “coloridos”), os países aceleraram a elaboração de medidas legais para conter este tipo de crime.

A tendência ao delito corporativo, por sinal, está em alta. A Pesquisa Global sobre Fraudes e Crimes Econômicos 2022 da PwC, que envolveu 1.296 executivos em 53 países e regiões, mostra que a ameaça dos fraudadores externos está crescendo. Quase 70% das organizações que informaram terem sofrido fraudes relataram que o incidente mais grave teve como base um ataque externo ou um conluio entre agentes externos e internos. Mais alarmante ainda foi a pesquisa, em nível global, produzida pela Harris Poll para o Google Cloud em abril deste ano, na qual 58% dos 1.500 CEOs e líderes C-level de empresas com mais de 500 funcionários afirmaram que suas empresas eram culpadas de greenwashing. Outros 66% questionaram se os esforços de sustentabilidade de sua empresa eram genuínos ou não.

Novo arcabouço legal

A prática mais comum do greenwashing é, no caso das empresas, mostrarem-se mais responsáveis e compromissadas do que realmente são. Ou, no caso dos fundos de investimento, invocarem-se “verdes” e ESG quando jamais se preocuparam com uma árvore e muito menos em financiar empresas de impacto socioambiental. Mas, afinal, por que este crime se tornou corrente? Pelo simples fato que, hoje, empresas que não possuam políticas ESG correm o risco de terem suas ações desvalorizadas e perderem investidores.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Cogumelado: funghi-based como mais uma alternativa para as carnes

Startups

Cogumelado: funghi-based como mais uma alternativa para as carnes

Com produtos enlatados, hambúrguer e linguiça de cogumelo, a foodtech Cogumelado quer trazer uma boa experiência para quem busca comer menos carne.

Um planeta sob nova direção

Tendências

Um planeta sob nova direção

Homem e natureza são parte do mesmo sistema interconectado. Se um destrói o outro, sucumbirá em seguida. Com esta certeza, universidades, ONGs e empresas privadas estão se unindo para criar centros de conhecimento de Desenvolvimento Reg...

Todo poder ao hidrogênio verde

Sustentabilidade

Todo poder ao hidrogênio verde

O hidrogênio verde é elemento central da transição energética rumo à meta de emissões líquidas zero em 2050 e há um boom de registros de patentes relacionados para as formas de produção, armazenamento e distribuição. A concorr...

2023: um ano de ventos e trovoadas

Tendências

2023: um ano de ventos e trovoadas

Lá fora recessão. No Brasil, transformação. O ano de 2023 promete mares bravios para os CEOS - capitães fortalecidos pela tempestade-pandemia e seus rescaldos no ambiente corporativo. A THE SHIFT mapeou as tendências que podem afetar...

Economia circular ganha novo fôlego

Sustentabilidade

Economia circular ganha novo fôlego

Apesar de ter sido oficializada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 2010, a Economia Circular praticada no Brasil sofre com entraves, desmobilização e falta de integração entre seus agentes. Porém novos instrumento...

2023: o ano em que o ESG será prioridade

Sustentabilidade

2023: o ano em que o ESG será prioridade

Os líderes ESG podem se preparar porque, no ano que vem, finalmente, a governança ambiental e social será alçada ao papel de protagonista dos negócios. Porém, o salto para a realidade sustentável implicará em um gerenciamento muito...