s
Obra de Carla Tennenbaum, realizada com sobras de EVA. FOTO: Guilherme de Franco/Divulgação
SUSTENTABILIDADE

Economia circular ganha novo fôlego

Apesar de ter sido oficializada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 2010, a Economia Circular praticada no Brasil sofre com entraves, desmobilização e falta de integração entre seus agentes. Porém novos instrumentos legais e corporativos prometem aquecer e consolidar o setor em 2023.

Por Rosane Serro 19/12/2022

O que falta para a persistente indústria brasileira de reciclagem deslanchar? Uma política pública integrada, certamente. O mapeamento global dos agentes atuantes neste mercado. Mais confiabilidade dos dados. Rastreabilidade. E instrumentos legais que tanto incentivem o empreendedorismo no setor quanto coíbam ações que fujam do interesse público. A boa notícia é que uma série de iniciativas convergentes podem mudar o atual cenário de movimentos pulverizados.

Um projeto de lei que implanta o Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA), que endossa as atividades das cooperativas e associações de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis, a proposta para a criação de uma Secretaria Nacional de Reciclagem dentro do Ministério do Meio Ambiente e até a criação de um app interativo que mapeia nacionalmente todos os agentes da cadeia produtiva e a tokenização dos produtos reciclados estão em pauta.

Uma conta que não fecha

 No ano de 2022, o Brasil coletou um total de 76,1 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU), mas produziu 81,8 milhões de toneladas – o que significa que o país não é totalmente coberto pela coleta, transporte, a destinação final e os serviços gerais de limpeza urbana. Os dados são do “Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2022”, o mais atual raios-X sobre a gestão nacional de resíduos produzido pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE).

Em tal cenário, a economia circular também não exibe resultados estimulantes: no Brasil, a maioria dos RSU coletados (61%) continua sendo encaminhada para aterros sanitários. Em 2022, das 81,8 milhões de toneladas de resíduos produzidas, somente 46,4 milhões de toneladas foram enviadas para destinação ambientalmente adequada. As informações foram obtidas junto a fontes primárias, pesquisas diretas com os diversos setores e bases oficiais como o IBGE e o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS).

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis para ler agora
e acesse 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

Regeneração Sustentável pode ser solução para crise climática

Sustentabilidade

Regeneração Sustentável pode ser solução para crise climática

Mesmo com as mudanças vistas na agenda ESG, ainda não é possível reverter a situação climática, aponta estudo.

Inovação em Camadas: Construindo casas por impressão 3D

Sustentabilidade

Inovação em Camadas: Construindo casas por impressão 3D

O mercado de construção modular promete erguer casas em menos de um dia.

Climate Risk startups em alta

Sustentabilidade

Climate Risk startups em alta

No momento de crise climática, a indústria de Climate fintechs estão em alta. Elas utilizam da ciência, IA, analytics para mensurar ou mitigar os efeitos da crise climática nos negócios.

A urgência da resiliência climática

Sustentabilidade

A urgência da resiliência climática

O que ocorre no Rio Grande do Sul é infelizmente um exemplo triste de que chegamos ao ponto de não retorno sobre crise climática global. Agora o desafio é buscar a resiliência climática: antecipar, preparar, adaptar, mitigar e resisti...

Faltam competências verdes

Sustentabilidade

Faltam competências verdes

Na corrida em direção à transição energética global, surgem novos empregos relacionados às energias renováveis. No entanto, um problema aparece: a falta de mão de obra qualificada.

O trunfo das energias renováveis

Sustentabilidade

O trunfo das energias renováveis

Dois relatórios sobre energias renováveis no mundo e na América Latina ajudam a entender como os países devem montar seus novos planos de descarbonização depois da COP28.