s
Pexels/Yan Krukov
INOVAÇÃO

Como as grandes empresas podem apoiar os inovadores

No momento de reconstrução das organizações pós-pandemia, as grandes empresas precisam apoiar os empreendedores sociais na criação de um novo paradigma de negócios

Por Isis Bous, Lex Mundi Pro Bono Foundation 16/11/2021

As empresas sociais impulsionam a mudança na economia global de duas maneiras muito importantes: abordando diretamente os difíceis desafios sociais e ambientais; e influenciando a comunidade empresarial como um todo a agir com responsabilidade. Essas “organizações de impacto” expandem o escopo do que é normal, possível e aceitável, criando uma economia global mais verde e inclusiva.

Essa influência é mais imperativa do que nunca, e a comunidade empresarial nunca esteve mais pronta para aceitá-la. O foco singular na perda de lucros da economia global moderna está começando a se afrouxar à medida que os países e organizações buscam uma melhor reconstrução no pós-pandemia. Os empreendedores sociais podem aproveitar este momento para ajudar a moldar um novo paradigma de negócios - e devem receber apoio para fazer isso.

A pressão do consumidor está encorajando as marcas a desenvolver uma consciência social

A conduta corporativa está sob os holofotes dado o poder das redes sociais de aumentar a pressão do consumidor, desafiando as marcas a não só fornecer produtos e serviços de qualidade, mas também agir como bons cidadãos globais. Da mesma forma, os funcionários estão exigindo que seus empregadores ajam com responsabilidade para ganhar seu serviço e lealdade. Não é incomum ouvir estatísticas como as que mostram que as marcas Sustainable Living Brands da Unilever, marcas guiadas pelo propósito, crescem 69% mais rápido do que o resto do negócio e são responsáveis por 75% do crescimento da empresa, ou Patagônia - com sua reputação de responsabilidade ambiental e sua missão orientada para o propósito - recebendo mais de 9 mil aplicações por vaga.

Este é um conteúdo exclusivo para assinantes.

Cadastre-se grátis e tenha acesso a 5 conteúdos por mês.

É assinante ou já tem senha? Faça login. Já recebe a newsletter? Ative seu acesso.

O fim do sistema de comando e controle

Entrevista

O fim do sistema de comando e controle

Dani Plesnik, diretora de Talent & Culture da Deloitte diz que não é "rocket science". Ela aposta na criação de um ambiente de trabalho emocionalmente seguro, menos hierárquico. Um espaço para conexão que viabilize o trabalho em rede...

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Gestão

Teletrabalho: adoção ignora legislação

Lei 14.442/22 foi sancionada, porém, em nada favoreceu a busca das empresas por uma equação que equilibre a produtividade e o bem estar dos trabalhadores em ambiente remoto ou híbrido.

A economia espacial vai crescer e gerar mais inovação na Terra

Inovação

A economia espacial vai crescer e gerar mais inovação na Terra

O ex-CTO da NASA e CEO da Space Tech Astra, Chris Kemp, acredita que é necessário criar uma economia espacial aberta, na qual colaborações inventivas a tornem livre e competitiva.

Por Linda Lacina | Fórum Econômico Mundial
Energia perdida no ar para a Indústria 4.0

Internet das Coisas

Energia perdida no ar para a Indústria 4.0

Deep tech brasileira criou um método para reciclar ondas eletromagnéticas dispersas no ar como fonte de energia para dispositivos IoT. A solução se encaixa na crescente digitalização da Economia.

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Liderança

A Inteligência Cultural (CQ) é indispensável às empresas

Porque no ambiente de negócios de hoje, já não é aceitável apenas valorizar ou entender a própria cultura ou ponto de vista. Devemos ser pensadores estratégicos com uma visão diversa de mundo.

O desafio laboral da realidade virtual

Gestão

O desafio laboral da realidade virtual

Pesquisadores mapeiam desconfortos físicos e psicológicos que, hoje, impedem a produtividade neste ambiente. Frustração, fadiga visual, enxaqueca, náusea e ansiedade são citados.