s
O investidor britânico Robin Klein é um dos sócios do fundo de investimento de risco LocalGlobe, dedicado a startups em early-stage Crédito: Divulgação

STARTUPS

Quem deve salvar as startups da pandemia?

A crise colocou as empresas em uma posição precária, que afeta ainda mais as startups, mas há investidores como o britânico Robin Klein que são contra qualquer ajuda aos empreendedores

Por Redação The Shift 09/04/2020

Não ajudem as startups. Isso é obrigação dos investidores“. Quem diz isso é Robin Klein, investidor serial pioneiro e um sócios do fundo de investimento de risco LocalGlobe, em Londres, dedicado a startups em early-stage. Klein, que tem 72 anos e trabalha com startups de tecnologia desde 1995, publicou um artigo no Sifted argumentando que está muito mais preocupado com empresas que estão perdendo receita, e funcionários que estão perdendo empregos no Reino Unido em função da pandemia.

De todas as ameaças da Covid-19, a ameaça às startups de early-stage deveria ser a última das preocupações“, escreve, referindo-se ao debate no Reino Unido sobre se as startups deveriam ou não ser elegíveis aos fundos de emergência criados pelo governo. O governo do Reino Unido está investindo 2,5 bilhões de libras por meio de fundos de fomento ao ecossistema de startups e empresas em crescimento (British Business Bank e British Patient Capital), portanto o foco tem que ser manter os créditos fiscais e os fundos, diz Klein.

Em nome do contexto, é importante dizer que Klein está focado nas startups early-stage, aquelas que muitas vezes só receberam capital-semente, porque há um dado histórico que precisa ser levado em conta: mesmo em tempos saudáveis, só 1/4 delas consegue avançar para estágios seguintes, por ter seu modelo de negócio provado. Seria subverter “a lei de Darwin do empreendedorismo”, colocar dinheiro bom em negócio ruim. “Os 27% das empresas que passam da semente para a Série A provavelmente são os menos propensos a buscar apoio do governo“, escreve.

Receba nossa newsletter

A discussão sobre o acesso ou não das startups aos fundos econômicos de emergência não se concentra só no Reino Unido. Nos Estados Unidos, a terra do Silicon Valley, a coisa está pegando. O Silicon Valley Bank, cuja maioria dos clientes são startups, está sendo criticado por demorar em receber os formulários de empreendedores em busca do dinheiro dos fundos CARES Act e PPP (Paycheck Protection Program) que destinam dinheiro para a sobrevivência de negócios não essenciais nos Estados Unidos.

O problema é que ainda há dúvida se as startups têm ou não direito aos bilhões de dólares destinados aos pequenos negócios dos EUA que geram empregos – 5,9 milhões de empresas (2016), segundo o Small Business Administration. Um artigo do The Protocol de hoje, mostra que o lobby para garantir que elas se aplicam é grande em Washington, mas mesmo com as mudanças para encaixar a categoria, os bancos ainda relutam em abrir a porta do cofre.

E vários fundos de investimento, ao contrário do que advoga o veterano Robin Klein, estão tratando de ajudar seus investidos a correr atrás desse dinheiro do governo como uma saída para que não tenham que mexer em suas próprias contas bancárias. Mas o artigo do Protocol toca em um ponto sensível: tem startup vendo almoço grátis onde não deveria. Um CEO de startup disse em off, para o Protocol, que há empresas que estão em busca do dinheiro sem precisar. “Deixem o dinheiro para quem precisa“, tuitou recentemente o investidor Josh Kopelman, da First Round, na mesma toada.

  • No Brasil, os investidores estão aconselhando suas investidas a apertar os cintos. A crise não vai poupar as startups brasileiras, isso é certo, e muitas já começam a demitir.
  • O presidente da ABStartups, Amure Pinho, publicou um “pitch” sobre a crise, incitando as startups a rever e questionar todas as premissas de negócios de 2019.
  • A Endeavor montou um “deck sobre a crise”, com insights das chamadas scale-ups (startups parrudas), que é atualizado diariamente com sugestões do que fazer, informações de quem está fazendo e o que está fazendo e as ações sociais que as startups estão montando para ajudar o país.

O que podemos aprender com startups sobre experiência do consumidor?

Startups

O que podemos aprender com startups sobre experiência do consumidor?

Se a experiência do consumidor já era importante, com o isolamento social e as pessoas em casa ela tornou-se vital para o sucesso dos negócios, que precisam se reinventar para atendê-las.

Por Vítor Andrade - Diretor Geral @iDEXO by TOTVS
Startups: mais investimento, mas não para as iniciantes

Startups

Startups: mais investimento, mas não para as iniciantes

Somente em setembro, as startups brasileiras receberam US$ 843 milhões em investimentos, mas isso não quer dizer que o boom vale para todas as startups

Por Soraia Yoshida
Anteprojeto do Marco Legal das Startups agrada entidades setoriais

Startups

Anteprojeto do Marco Legal das Startups agrada entidades setoriais

Na opinião do Grupo Dínamo, da ABStartups e da Anjos do Brasil texto proposto pelo executivo traz avanços importantes

Por Redação The Shift -
Governo encaminha ao Congresso o anteprojeto do marco legal das startups

Inovação

Governo encaminha ao Congresso o anteprojeto do marco legal das startu...

PL busca simplificar a criação de empresas inovadoras, estimular o investimento em inovação e facilitar a contratação de soluções inovadoras pelo Estado

Por Redação The Shift -
Negócios negros são muito importantes

Diversidade

Negócios negros são muito importantes

O Black LUMAscape procura dar visibilidade a iniciativas de mulheres e homens negros e quer ser referência para que outras empresas possam diversificar seus negócios

Por Redação The Shift
As perguntas são tão importantes quanto as respostas

Inovação

As perguntas são tão importantes quanto as respostas

Há um mérito em fazer perguntas ingênuas e até aquelas aparentemente "sem nexo", que podem ajudar a encontrar a chave certa para a porta certa

Por Redação The Shift