s
Crédito: Shutterstock

INOVAÇÃO

O que falta para comermos mais carne produzida em laboratório?

A demanda global por carne bovina e outras carnes de ruminantes pode aumentar em 88% entre 2010 e 2050, de acordo com uma análise que o World Resources Institute fez de dados da FAO

Por Kate Whiting, WEF 19/10/2020

Enquanto o mundo luta contra a Covid-19, a fome está piorando. A insegurança alimentar já atinge mais de 2 bilhões de pessoas, enquanto quase 690 milhões passam fome — um aumento de 10 milhões em relação a 2019, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Estima-se que a pandemia possa somar 132 milhões de pessoas a esse número, dependendo do cenário de crescimento econômico.

“Nossos futuros sistemas alimentares precisam fornecer dietas acessíveis e saudáveis ​​para todos e meios de subsistência decentes para os trabalhadores do sistema alimentar, preservando os recursos naturais e a biodiversidade, enfrentando desafios como as mudanças climáticas”, disse a FAO.

Receba nossa newsletter

Para aqueles no mundo que desfrutam de relativa segurança alimentar, o apetite por carne deve crescer. A demanda global por carne bovina e outras carnes de ruminantes pode aumentar em 88% entre 2010 e 2050, de acordo com uma análise que o World Resources Institute fez de dados da FAO.

Isso significaria a necessidade de pastagens extras do tamanho da Índia para alimentar o gado. O desmatamento que essa iniciativa acarretaria poria fim à meta de limitar os aumentos de temperatura global a 1,5 ° C. Isso sem levar em conta as emissões dos próprios animais.

Enquanto o mundo busca redefinir os sistemas alimentares, mais uma solução sustentável está vingando: a carne cultivada em laboratório, que envolve a obtenção de células-tronco de um animal vivo e seu cultivo em condições ricas em nutrientes.

Por exemplo, uma pequena biópsia de músculo esquelético é retirada de uma vaca, da qual as células-tronco são isoladas e cultivadas em um biorreator com meio de cultura de células. As células são divididas em vários tipos, incluindo as musculares e de gordura. Essa biomassa é então processada para formar o produto final comestível.

Embora pareça um processo complicado, a carne cultivada leva muito menos tempo para “crescer”, usa menos recursos do planeta e nenhum animal é abatido.

Ainda vai demorar um pouco até que vejamos carne cultivada em laboratório sendo consumida em larga escala, embora startups já estejam trabalhando nisso há cinco anos, progredindo rapidamente.

Em junho de 2019, a startup israelense Aleph Farms afirmou ter sido a primeira empresa a desenvolver bife em um laboratório. Ela espera experimentar o bife em restaurantes sofisticados nos Estados Unidos, Europa e Ásia em 2021, com um lançamento oficial em restaurantes e supermercados em 2023.

Já a Shiok Meats, com sede em Cingapura, foi fundada em 2018 por dois cientistas de células-tronco, e afirma que sua tecnologia com patente pendente pode fazer crustáceos crescer quatro vezes mais rápido do que o método convencional. Este ano, ela anunciou uma rodada de financiamento da Série A de US $ 12,6 milhões, com o objetivo de produzir carne de camarão congelada à base de células para bolinhos e outros produtos nos próximos anos.

Quais são os desafios?

Para aumentar a produção de carne cultivada e reduzir custos, existem vários desafios tecnológicos enfrentados pelas empresas — algo que a Merck tem trabalhado para superar.

“Como fornecedora líder para a indústria biofarmacêutica, temos amplo conhecimento da ciência e biotecnologia necessárias para a produção de carne cultivada”, afirma Isabel de Paoli, diretora de estratégia da Merck. “Ao trabalhar com empresas que desejam comercializar carne à base de células, oferecemos nosso conhecimento e habilidades de produção para ajudá-las a superar desafios tecnológicos críticos”, conclui.

Quais são esses desafios tecnológicos?

  • Desenvolvimento da linha celular. Uma célula cultivada em uma cultura é conhecida como linha celular. São necessárias linhas celulares específicas para produtores de carne de grau alimentício que sejam geneticamente estáveis e otimizadas para produção em larga escala.
  • Biorreatores e bioprocessamento. Biorreatores, projeto de bioprocessos e plataformas de automação são necessários para permitir o crescimento e a diferenciação de vários tipos de células simultaneamente.
  • Andaimes comestíveis. Tecnologias semelhantes à engenharia de tecidos e medicina regenerativa são necessárias para habilitar a próxima geração de produtos, como andaimes comestíveis/biomateriais e processos de cultura de células 3D.
  • Meio de cultura celular. Estima-se que os meios de cultura de células representem de 55% a mais de 95% dos custos marginais do produto. Para produzir carne cultivada em escala, os meios de cultura de células precisam ser muito mais baratos, adequados para o crescimento e diferenciação eficientes de tipos de células específicos e isentos de qualquer material de origem animal.

“Estamos enfrentando exatamente esses desafios e pretendemos projetar e comercializar soluções que permitam a produção eficiente de vários frutos do mar de cultura, espécies de aves e mamíferos”, disse Lavanya Anandan, chefe de parcerias e inovação externa da Merck, na Silicon da empresa Valley Innovation Hub.

À medida que esses desafios forem superados, o custo de produção de carne cultivada diminuirá. O artigo do Fórum Econômico Mundial sobre Proteínas Alternativas, de sua série “Meat: The Future”, relata que os custos já foram reduzidos drasticamente nos últimos anos,  de centenas de milhares de dólares por quilo para apenas US$ 25.

Mesmo que o custo diminua, ainda há a questão da demanda. As pessoas vão querer comer algo que sabem que foi cultivado em um laboratório, em vez de no campo?

A Geração Z da Austrália parece que não. A maioria (72%) dos jovens adultos que responderam a uma pesquisa ​​em Sydney não estava pronta para aceitar carne cultivada, embora muitos pensassem que era uma ideia viável devido à necessidade de transição para opções de alimentos mais sustentáveis ​​e melhoria do bem-estar animal. Só um terço deles (28%) estava pelo menos disposto a experimentar.

A indústria de carne cultivada tem um problema, literal, de imagem: Max Elder, ex-Diretor de Pesquisa do Food Futures Lab do Institute for the Future admite que “as imagens de carne cultivada populares na mídia hoje parecem estéreis, científicas, pouco apetitosas; algo para tocar com uma luva de borracha ou comer de uma placa de Petri.

“Precisamos de imagens de carnes cultivadas que pareçam familiares e deliciosas, caso contrário, os consumidores pensarão o contrário antes mesmo de os produtos chegarem aos seus pratos”, diz ele.

A empresa 'do contra'

Entrevista

A empresa 'do contra'

Para Luiz Augusto Silva, country manager da operação brasileira da NotCo, startup chilena de alimentos plant based, a negação é uma ação disruptiva necessária

Por Cristina De Luca
Insetos são alternativa sustentável para alimentação do futuro

Tendências

Insetos são alternativa sustentável para alimentação do futuro

Mercado de proteína de insetos atrai investidores, movimenta ecossistema de inovação e conta com apoio da comunidade científica

Por João Ortega
Agroindústria: riscos e benefícios da engenharia genética

Tendências

Agroindústria: riscos e benefícios da engenharia genética

O melhoramento genético de culturas vem avançando para se tornar mais seguro, fazendo uso de tecnologias como CRSPR e GMO

Por Redação The Shift