s
Alexa da Amazon Crédito: Divulgação

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Alexa estará em todos os lugares (se depender da Amazon)

Alexa pode ser integrada a todos os apartamentos de um mesmo prédio, como uma ferramenta de gestão de propriedade e um atrativo para inquilinos

Por Redação The Shift 09/09/2020

A Amazon lançou na última quinta-feira um serviço de assistência virtual para condomínios residenciais. Agora, a Alexa pode ser integrada a todos os apartamentos de um mesmo prédio, como uma ferramenta de gestão de propriedade e um atrativo para inquilinos. A novidade é mais um modelo B2B de contratação da Alexa, que também está disponível para empresas.

A estimativa é a de que o mercado de gestão de propriedades cresça 9% ao ano e atinja US$ 23,6 bilhões até 2026 globalmente. A atividade passa por um processo de transformação digital que tem as tecnologias de smart homes entre as principais tendências.

Em uma análise mais ampla, o lançamento da Amazon está inserido no contexto das smart cities, as cidades inteligentes. A aquisição da Ring, startup de campainhas tecnológicas, vai no mesmo sentido. A empresa de Jeff Bezos também fornece, por meio da nuvem AWS, diversos serviços para a “transformação das cidades”, como sensores de poluição e soluções de cibersegurança em larga escala.

Receba nossa newsletter

É uma estratégia para criar um sistema que integre todos os elementos de uma cidade (dentro e fora das casas) por meio de tecnologias como big data, inteligência artificial e internet das coisas. Há indícios de que smart cities trazem benefícios reais às pessoas. No entanto, o risco é muito grande quando há a possibilidade de uma empresa possuir o monopólio da inteligência de uma cidade inteira.

Do outro lado do mundo, o governo chinês e o grupo Alibaba, principal rival da Amazon a nível global, fizeram uma parceria para tornar Hangzhou uma smart city. O trânsito da cidade, bem como serviços de segurança, estão integrados a um sistema de inteligência artificial chamado City Brain. Ele controla desde semáforos até os chamados de autoridades em casos de incêndio, por exemplo, de acordo com dados coletados por uma rede de sensores.

A Internet dos Corpos já está entre nós

Inteligência Artificial

A Internet dos Corpos já está entre nós

Usar o corpo humano como uma plataforma de dados oferece enormes possibilidades, mas também novos riscos

Por Cristina De Luca
Computação Neuromórfica, IA Emocional e o futuro

Inteligência Artificial

Computação Neuromórfica, IA Emocional e o futuro

A expectativa da indústria é a de que a Computação Neuromórfica ande mais rápido que a Computação Quântica em relação à disponibilidade de produtos de baixo custo

Por Redação The Shift
IA ubíqua vem aí

Inteligência Artificial

IA ubíqua vem aí

Os governos desenvolveram estratégias nacionais para a IA e estão fazendo investimentos substanciais em pesquisa e educação

Por Redação The Shift